segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Guillaume Musso entra para os meus favoritos

Sinopse:
"São Francisco. Elliott, médico apaixonado, nunca se recompôs do desaparecimento de Ilena, a mulher que ele amava, morta há 30 anos. Um dia, uma situação extraordinária permite-lhe recuar no tempo e encontrar o jovem que ele era, há 30 anos atrás. Elliott regressa ao instante decisivo em que um gesto seu pode salvar Ilena e modificar o destino implacável que determinara a sua vida desde então."
Contracapa:
"Um simples gesto teria bastado para alterar tudo. Quem nunca sonhou com a possibilidade de regressar ao momento decisivo que tornaria a felicidade possível?"


O escritor:

Guillaume Musso nasceu em 1974 e descobriu a literatura aos dez anos, idade em que decidiu que um dia haveria de escrever livros. Inspirado pela cidade de Nova Iorque, onde viveu aos dezanove anos e travou conhecimento com viajantes de todo o mundo, regressou à sua França natal para estudar Ciências Económicas. É hoje um dos autores franceses preferidos pelo grande público.





 Opniões diversas:
"Guillaume Musso manipula a arte do suspense com a eficásia dos grandes mestres do thriller americano." L`EXPRESS
"Retenham este nome: Guillaume Musso é um jovem escritor cujo futuro se anuncia brilhante." GALA

Minha Opnião:
Após muito tempo à espera na estante, esta foi a escolha feita depois de uma leitura de fantasia que não me tinha saciado. Ao contrário do livro anterior, este  surpreendeu-me positivamente, devo dizer que Guillaume Musso entrou para a minha lista de escritores favoritos.
Um livro que toca ao de leve no gênero romance mas que é essencialmente suspense, talvez por isso eu tenha ficado agarrada nesta leitura do início até ao fim. Simplesmente adorável, o modo como Musso escreveu este livro foi um bombom para a minha alma de leitora, ufa estava mesmo a necessitar de um livro assim.
Tudo começa quando o Dr.Elliot ( médico de sucesso que se encontrava a fazer trabalho humanitário no Camboja) depois de ter realizado mais uma das suas operações de sucesso, a um rapazinho cambojano. O chefe da tribo da qual fazia parte este jovem, pergunta ao médico, :" - Qual seria o seu maior desejo neste mundo, doutor?.... - Gostaria de rever uma mulher.".
Após este diálogo, claro está que o tema do livro é o regresso ao passado, e se fosse possível ir ao passado corrigir algo em que achamos que fomos incorrectos? Como seria olhar para nós, para o nosso eu no estado jovem? O que poderia mudar se alterarmos um acontecimento do nosso passado? Exitiram universos paralelos, onde cada um de nós vive com uma outra decisão perante um determinado acontecimento?
É com este jogo da intervenção do presente no passado, e em torno de mudar um acontecimento no passado sem querer alterar o presente, que se desenrola toda a história.
A história passa-se entre 1976 - Elliott tem 30 anos e 2006 - Elliott tem 60 anos. Todas as pessoas que cruzam e cruzaram a vida de Elliot estão sujeitas a ver o seu mundo igualmente alterado.
Uma leitura como à muito não fazia e que recomendo vivamente.
Boa leitura;)

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Uma grande verdade....

Gostei e postei....
Estava eu a pesquisar na net sinopses de livros que tenho por casa para me decidir qual haveria eu de ler, (ups é sempre a mesma coisa, eu sei) quando me deparei com este cartoon da minha adorada Mafaldinha. Claro está que vim postar aqui para mais tarde o recordar e para partilhar com todos os que gostam de ler a atmosfera ;)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

"Hex Hall" um livro tão esperado...

Esta é a capa que eu tenho
Sinopse
"Um bilhete só de ida para um colégio interno perdido nos pântanos do Louisiana era talvez a última coisa que Sophie Mercer esperava receber pelos seus dezasseis anos. Mas Sophie não é uma adolescente igual às outras. Sophie é uma feiticeira e, tal como os outros prodigium, feiticeiros, fadas, lobisomens e vampiros, Sophie não pode frequentar uma escola normal. O que Sophie esperava ainda menos era ser companheira de quarto de Jenna, a única vampira da escola, e ver-se enredada numa trama para descobrir quem anda a assassinar os alunos da escola ao mesmo tempo que tem que lidar com os seus novos poderes, a descoberta da importância do seu Pai na hierarquia dos feiticeiros e a sua paixão pelo namorado da sua mais recente inimiga." retirado do site da wook.

Opinião de Becca Fitzpatrick, autora de "hush, hush":
"Abrir Hex Hall foi como abrir uma caixa de chocolates, ao revelar-se impossível de exercer qualquer tipo de auto-controlo! Houve, pelo menos, uma gargalhada por página, uma protagonista esperta e auto-depreciativa, Sophie Mercer, e um misterioso assassino que fez com que as páginas passassem por si próprias, ou se calhar a culpa foi de um dos Prodigium! Conclusão, fui enfeitiçada por Sophie Mercer!"
 
Retirado da contracapa do livro:
"Virei-me para sair, mas a porta fechou-se a poucos centímetros da minha cara. De repente, um vento pareceu soprar através da sala e as fotografias nas paredes chocalharam. Quando me virei de novo para as raparigas, estavam as três a sorrir, os cabelos a ondularem-lhes a volta dos rostos como se estivessem debaixo de água.
O único candeeiro da sala tremeluziu, e apagou-se. Eu apenas conseguia distinguir faixas prateadas de luz que passavam sob a pele das raparigas, como mercúrio.Até os seus olhos brilhavam.
Começaram a levitar,as pontas dos sapatos regulamentares de Hecate mal tocando a carpete musgosa. Agora, já não eram rainhas do baile de finalistas, nem supermodelos-eram bruxas, e até pareciam perigosas.
Apesar de me debater contra a vontade de cair de joelhos e colocar as mãos acima da cabeça, pensei, "Eu também seria capaz de fazer aquilo?".


Esta foi uma outra capa que encontrei na net ao fazer uma pesquisa antes de adquirir este livro, enquanto procurava informação sobre a escritora e sobre o próprio enredo do livro...

Achei que seria interessante colocar aqui a título de comparação com a capa da edição portuguesa, que quanto a mim é bem mais bonita do que esta...bom mas gostos não se discutem;)

               
                  
A escritora Rachel Hawkins

Rachel Hawkins foi professora de Inglês do ensino secundário, antes de se dedicar, em exclusivo, à escrita. Vive com a família no Alabama e actualmente está a trabalhar na sequela de Hex Hall. Que se saiba, Rachel não é uma bruxa, embora alguns dos antigos alunos possam discordar.








Minha Opnião:
Para quem estava desejosa de ler um livro do tipo Harry Potter, o que era o meu caso, acho que encontrei um livro muito mas mesmo muito light que não deu para matar as saudades dos tempos das minhas leituras de Potter.
Contudo, devo referir, que esta leitura foi muito desejada, andava mesmo a querer um livro de fantasia, e ainda estava na dúvida entre reler o "Harry Potter e a Pedra Filosofal" ou adquirir este para ler (este porque era o mais parecido com uma história de fantasia do gênero do Harry Potter). Pois é a escolha foi adquirir este para ler e devo dizer que se fosse hoje talvez não o tivesse feito.
A história tem a mesma estrutura da História dos livros do Potter, um castelo que se chama Hecate Hall, que é frequentado por fadas, mutáveis, bruxas, bruxos, feiticeiros, feiticeiras, vampiros e vampiras. Logo aqui fui tansportada para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, só que esta última era uma escola onde o ensino tinha uma lógica e os professores tinham um papel e uma caracterização muito bem estruturada. Hex Hall (como é chamada pelos seus "alunos") tem como principal objectivo proteger e ensinar mutáveis ( todos os seres mencionados anteriormente, exepto os vampiros, mas nesta escola só existe uma), que se encontram mais expostos devido às suas capacidades, e que não podem estar em sociedade por colocar em perigo a Sociedade dos  Prodígio.
Claro está que estes Prodigios também têm um inimigo que é L`Occhio di Dio - O Olho de Deus. Aqui temos um Voldemort mas uma equipa formada, ou seja, o Voldemort e os seus seguidores. O Ministério da Magia também está aqui representado pelo Conselho. A bruxa da capa é Mercer e o livro passa-se em volta dela das suas histórias. Quanto a mim este livro até tinha uma estrutura que podia ter ido muito mais longe se tivesse existido uma melhor estruturação das personagens, se estas tivessem mais conteúdo e uns diálogos com mais "sumo". Esta foi sem sombra de dúvidas a parte que mais me chateou, estar a ler um livro com frases escritas como os adolescentes falam. Peço desculpa mas não gostei, nem um bocado. Achei que tinha ÍASSSS a mais....
Foi uma leitura leve até posso dizer que foi leve demais mas que até me soube bem e  me trouxe uma outra visão sobre a fantasia, que mistura fadas e bruxos com vampiros. Não posso dizer que não gostei porque gostei dentro dos possíveis. Fiquei muito insatisfeita com mais um ponto que para mim foi muito importante, o fim. Na parte final estava a desenrolar-se muito bem mas depois acabou por ter um final nada esperado por mim, mas talvez tenha sido com uma certa estratégia de sequência para um próximo livro, mas isso é o que eu penso.
P.S.Para a próxima quando me apetecer ler algo do gênero de alguma coisa que já li... releio sempre é melhor do que me desiludir. 
Continiuação de Boas leituras;)