quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

"A Casa de Papel" de Carlos María Domínguez

Título original: "La Casa de Papel"
Título em Portugal:"A Casa de Papel"
Autor: Carlos María Domínguez
2.ª Edição:Maio de 2010
Páginas: 80
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892308692
Coleção: Nova Edição - Capa Nova

Sinopse:
"Os livros mudam o destino das pessoas: Hemingway incutiu em muitos o seu famoso espírito aventureiro; os intrépidos mosqueteiros de Dumas abalaram as vidas emocionais de um sem-número de leitores; Demian, de Hermann Hesse, apresentou o hinduísmo a milhares de jovens; muitos outros foram arrancados às malhas do suicídio por um vulgar livro de cozinha. Bluma Lennon foi uma das vítimas da Literatura. Na Primavera de 1998, Bluma, uma lindíssima professora de Cambridge, acaba de comprar um livro de poemas de Emily Dickinson quando é atropelada. Após a sua morte, um colega e ex-amante recebe um exemplar de A Linha da Sombra, de Joseph Conrad, em que Bluma escrevera uma misteriosa dedicatória. Intrigado, parte numa busca que o leva a Buenos Aires com o objectivo de procurar pistas sobre a identidade e o destino de um obscuro mas dedicado bibliófilo e a sua intrigante ligação com Bluma. A Casa de Papel é um romance excepcional sobre o amor desmesurado pelas bibliotecas e pela literatura. Uma envolvente intriga policial e metafísica que envolve o leitor numa viagem de descoberta e deslumbramento perante os estranhos vínculos entre a realidade e a ficção." (retirado do site wook)

Críticas de imprensa:


“Está impregnado de paixão. De paixão pela literatura, mas também pelos livros enquanto objectos.”
Público
“Este curto e intenso relato tem tudo para ser um livro de culto. A história tem aquele perfume irresistível que emana das grandes obras.”
Expresso
“Para ler de um só fôlego.”
Correio da Manhã

Extractos:

"...e a horrível advertência que retorna sempre que alguém  elogia as minhas bibliotecas. Todos os anos ofereço pelo menos cinquenta exemplares aos meus alunos, mas não consigo deixar de acrescentar uma nova estante, outra fila dupla; os livros avançam pela casa, silenciosos, inocentes. Não consigo detê-los." (pág.15)

"...Amiúde é mais difícil desfazermo-nos de um livro do que obtê-lo. Ligam-se a nós num pacto de necessidade e de esquecimento, como se fossem testemunhas de um momento das nossas vidas ao qual não regressaremos...."(pág.15)

"...Vi que muita gente coloca a data, o dia, o mês e o ano da leitura; traçam um discreto calendário. Outros escrevem o seu nome na primeira página, antes de os em prestarem, anotam numa agenda o destinatário e acrescentam-lhe a data. Vi volumes carimbados como os das bibliotecas públicas ou com um delicado cartão do proprietário no seu interior. Ninguém quer extraviar um livro. Preferimos perder um anel, um relógio, o chapéu de chuva, do que o livro cujas páginas não mais leremos mas que conservam, na sonoridade do seu título, uma antiga e talvez perdida emoção...." (pág.15 e 16)

"... Nós, leitores, espiamos a biblioteca dos amigos, nem que seja apenas para nos distrairmos. Às vezes, para descobrir um livro que gostaríamos de ler e não possuímos, outras para saber o que comeu o animal que temos diante de nós. Deixamos um colega sentado na sala e no regresso encontramo-lo invariavelmente de pé a farejar os nossos livros...." (pág.16)

Minha Opinião:

Um livro fabulosamente estonteante que me deixou sem palavras escritas...simplesmente delicioso e uma prova viva de que os livros não se medem pelo número de páginas mas sim pela qualidade da escrita e do enredo.

"Com um aspecto minimalista, A Casa de Papel é uma metáfora que eleva o valor da leitura e nos conduz à descoberta do que se pode fazer com um livro nas mãos no meio do nada." 
Por outro lado, de forma muito interessante, o autor faz-nos pensar nos comportamentos excessivos e questiona a linha invisível que marca a diferença entre quem é considerado louco e quem é considerado normal... Faz-nos pensar também que a biblioteca que vamos construindo é uma vida, mais do que um somatório de livros…
Damos um mergulho no universo dos leitores assíduos, através de palavras bem escolhidas e prudentemente medidas. Li, neste texto, passagens sobre livros, bibliotecas e magia das palavras que tão depressa não vou esquecer.
A Casa de Papel é, assim, um tesouro para leitores, sonhadores e roedores de livros…"(retirado daqui).
Pela primeira vez retirei a minha opinião de um outro blogue, que desde já recomendo vivamente: Ao Sabor dos livros
Classificação _ 6 _ Excelente.
Boas leituras!

4 comentários:

  1. Olá.Essa é minha primeira visita ao blog.Vi seu link em outro blog e resolvi vir conhecê-lo.Adorei seu blog e já estou lhe seguindo.Seu blog é muito bem organizado e suas postagens muito bem elaboradas.Parabéns pelo excelente conteúdo do blog.Fiquei fascinada por esse livro.Quero mais que tudo!
    Te convido a conhecer meu blog e segui-lo também.Aguardo sua visitinha!
    Bjs!
    Zilda Mara
    @ZildaPeixoto
    http://www.cacholaliteraria.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Zilda!
      Fico muito feliz por teres gostado assim tanto do blog. Vou agora passar no teu.

      Eliminar
  2. Nossa, agora fiquei bastante curiosa por ler este livro.
    Excelente e convidativa resenha.
    Grata pela dica.

    ResponderEliminar