segunda-feira, 30 de junho de 2014

Minha opinião sobre o livro_Muana Puó_do escritor Pepetela

Muana Puó
de Pepetela
Edição/reimpressão: 1995
Páginas: 168
Editor: Dom Quixote
ISBN: 9789722037259
Coleção: Autores de Língua Portuguesa

"Era uma máscara tehokuê.
Máscaras de Muana Puó, a rapariga.
Com ela se dança e esconde as lágrimas, na festa da circuncisão."

Sinopse:
"(...)Muana Puó uma estória de amor com fundo de luta. Era ainda em abstrato, eu nunca tinha visto guerra na minha vida, por isso arranjei a simbologia com as máscaras. (...) Vi a fotografia de um cartaz para um espectáculo da Miriam Makeba, como a Muana Puó...e fiquei fascinado. Foi amor à primeira vista. Fechei-me uma semana no quarto, todo branco, com o cartaz à frente e comecei a escrever sem saber o que ia escrever. (...)A estória é perfeitamente intemporal e muito simbólica. O livro foi escrito com a máscara à frente e é para ser lido assim, com a máscara à frente. A acção segue as linhas da máscara:o mundo oval, o rosto, o lago, a boca..."
Pepetela
Sobre o livro:
Após uma leitura em tudo atenta e rápida surgiram as dúvidas, então desta vez não vou descrever a minha opinião mas a pesquisa que eu fiz após a leitura de um livro mesmo ao género de Pepetela. 
"Num país imaginário, o mundo é divido em duas categorias: os corvos, mais poderosos na sociedade, e os morcegos que devem produzir mel para alimentá-los. Como sinal da sua submissão, os morcegos têm que se alimentar dos excrementos dos corvos. Em determinada altura, os morcegos, fartos da sua condição, vão-se rebelar e travar uma guerra feroz tentando abolir este sistema e recuperar a montanha, lugar santo protegido pelos corvos. Depois dessa vitória, uma nova sociedade desta vez formada por homens, é criada. Nesta sociedade todos são iguais e vivem em harmonia. Enquanto isso, começa uma história de amor entre dois morcegos que será complicada, com muitos altos e baixos e incompreensões que levarão ao seu fracasso; por exemplo: eles vão esperar bastante tempo antes de se atreverem a falar um para o outro, procurarão o seu lugar na sociedade totalmente mudada na qual vivem, questionando-se muito sobre o mundo. Essa história de amor seria a metáfora da sociedade angolana que não conseguiu unificar-se."


"Seguindo essa simbologia da máscara., onde os dois olhos são distintos e separados pelo nariz, podemos encontrar várias interpretações às diferentes situações e referências do livro. Por exemplo, embora seja secundária e um instrumento para fluidificar a narrativa e torná-la menos dura, pode-se relacionar a história de amor entre os dois morcegos à máscara: os dois amantes seriam os dois olhos, separados pelo nariz , ou seja pelas dificuldades como as diferenças entre eles, os seus defeitos respetivos por exemplo. Assim a batalha para que essa história de amor seja bem-sucedida e que os dois “olhos” se unam seria a luta para superar os problemas que o “nariz” representa.
Podemos também aplicar essa simbologia da máscara à ficção do romance: os dois olhos da máscara representariam as duas tribos do livro, corvos e morcegos, e seriam separados pelo nariz, que representaria a montanha que os corvos guardam cruelmente.
Enfim, essa simbologia da máscara pode também aplicar-se à sociedade angolana, ao seu passado colonial (a guerra colonial tendo durado de 1961 até 1974) e à atualidade da altura durante a Guerra civil (que se seguirá a guerra colonial e só acabou em 2002). A metáfora dos olhos separados pelo nariz pode também simbolizar:
  • as diferentes etnias de Angola , sendo que a diversidade demográfica em Angola é forte pois 10 etnias vivem no território. Elas seriam separadas pela diferença cultural, os preconceitos ou as línguas (em Angola existem 6 idiomas reconhecidos além do português e dos numerosos dialetos).
  • a oposição entre os colonizadores portugueses e os colonizados angolanos (se consideramos os séculos de dominação colonial portuguesa em Angola) , separados pelo “equilíbrio de poder” entre opressores e oprimidos.
  • a luta entre os diferentes partidos políticos após a independência em 1975, nomeadamente o MPLA e a UNITA, isso no contexto da guerra civil que durou até 2002.
Notamos também que a simbologia da máscara e o fato de haver poucos elementos distintivos que poderiam identificar Angola, a obra de Pepetela torna-se atemporal e universal."
Minha Opinião:
Agora sim posso dizer que adorei o livro aconselho vivamente a sua leitura e de seguida pesquisem sobre tudo o que vos ficar na mente em estado de efervescente. O que eu mais gostei deste livro foi que apesar de ser lido de uma forma rápida  deixou-me a pensar e colocou-me uma tarde inteira a pesquisar.

Aqui existe cultura, este livro não pode ser perdido para quem gosta de Pepetela e de Angola.

Boas leituras!

Minha opinião sobre o livro _ As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café_ de Agnès Martin-Lugand_

As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café
de Agnés Martin-Lugand
 
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 208
Editor: Editora Guerra & Paz
ISBN: 9789897021077
Coleção: Clube do Livro SIC

Sinopse:
romance que conquistou mais de 150.000 leitores em França.

Depois da morte do marido e da filha num brutal acidente de automóvel, Diane fecha-se em casa durante um ano, imersa em recordações, incapaz de reagir. Mas, quando já nada parece poder mudar, é precisamente uma dessas recordações que a faz escolher Mulranny, uma pequeníssima aldeia na Irlanda, como destino.
Instalada numa casa em frente ao mar, Diane é gentilmente recebida por todos os habitantes - todos menos um. Será Edward, o bruto e antipático vizinho, a resgatar Diane da apatia em que parece estar novamente a mergulhar. Primeiro, pela ira e pelo ódio. Mas depois, contra todas as expectativas, pela atracção. Como enfrentar este turbilhão de sentimentos? O que fazer com eles?

Minha Opinião:contém muitos spoilers

Diana, seu marido Colin e a filha do casal,Clara,viviam felizes e em harmonia que em nada parecia poder ser destruída. Contudo nem tudo na vida segue o caminho que queremos e o destino traçou para Diana uma das maiores partidas, uma das maiores dores que alguém pode ter, a morte de Clara e Colin num acidente de automóvel.
Será que podemos imaginar a dor, o sofrimento e a angústia em que Diana ficou?

É sobre esta perda, que Diana tem que atravessar sozinha, pois a dor que ela sente é só dela e por mais que digam, seja o que for não adianta. Muitos são os que dizem para ela fazer o luto e que a dor acaba por passar com o tempo, que sempre é o melhor remédio, nada disso adianta dizer.

Félix o seu melhor amigo e sócio do café-literário, "As Pessoas" tenta por tudo ajudar a amiga mas não consegue, Diana está só na sua casa em França a fazer o seu luto, mas já passou um ano do acidente e ela esqueceu-se dela e os outros acham que ela é fraca não tem forças para continuar.
Diana decide abandonar França e isolar-se numa aldeia irlandesa de nome Mulranny, para poder sofrer a sua dor sem ter ninguém a puxar por ela, para a vida, porque ela não queria viver queria sim ter morrido com Colin e Clara.

Diana adorou a pequena aldeia irlandesa, principalmente porque ninguém sabia nada sobre ela, as pessoas eram simpáticas e afáveis, excepto o seu vizinho Edward, que era antipático, bruto.

E nada mais vou dizer, a não ser para lerem o livro tem um final que me apanhou de surpresa, leiam não se vão arrepender.

Boas leituras! 

A escritora_Agnés Martin-Lugand_

"Psicóloga clínica,Agnés Martin-Lugand, tinha um sonho: ser escritora. Nenhum editor aceitou o seu original. Decidiu publicar o seu primeiro romance por conta própria e o êxito imediato ultrapassou todas as expectativas:o e-book tornou-se um best-seller e As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café foi publicado em livro em 2013, alcançando rapidamente a impressionante marca de 150.000 exemplares vendidos.
Fenómeno de auto-edição de 2013. As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café, o romance de estreia desta escritora, conquistou só em França mais de 150.000 leitores desde que foi publicado. Traduzido em 18 países, será brevemente adaptado ao cinema."(retirado da contra capa do livro)

Só um a parte  imaginem o que se tinha perdido se Agnés não tivesse editado o seu próprio livro e o coloca-se na gaveta, por ter recebido tantos nãos, agora até vai ser adaptado ao cinema...parabéns pela garra e por não teres desistido dos teus objectivos.


Boas leituras;)

domingo, 29 de junho de 2014

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Muitos parabéns ao blog Atmosfera dos Livros

Já lá vão 4 anos e parece que foi ontem. Este blog trouxe-me momentos muito bons e outros menos bons mas que deram para que eu aprende-se que nem todos somos iguais quer na vida quer na leitura mais especificamente.
Adoro-te blog Atmosfera dos livros, graças a ti também eu comecei a ler mais, muito obrigada por existires.
Muitos parabéns!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Concordo plenamente...

Boas leituras!

terça-feira, 24 de junho de 2014

Minha opinião sobre o livro "História de um gato e de um rato que se tornaram amigos" de Luis Sepúlveda

História de um gato e de um rato que se tornaram amigos
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 64
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04480-8
Idioma: Português

Sinopse:
Max vive em Munique com os seus pais e irmãos - e com Mix, o seu inseparável gato preto com uma mancha branca na barriga. Amigos desde a infância, quando Max cresce e decide mudar de casa, leva Mix consigo. Mix adora viver no novo apartamento. Mas quando Max começa a trabalhar e não pode estar tanto tempo em casa, Mix, que está a envelhecer e a perder a visão, sente-se cada vez mais sozinho.

Um dia, Mix ouve uns passinhos suaves vindos da despensa e descobre que há um ladrão a comer os cereais crocantes do dono. Esperto, Mix deixa-se ficar quieto e, de repente, com a rapidez de outros tempos, estica a pata e sente o corpo trémulo de um minúsculo ratinho. Mex, como é batizado, é um ratinho mexicano, muito medroso e charlatão. Mas os verdadeiros amigos apoiam-se um ao outro e juntos aprendem a partilhar o que de melhor têm dentro de si.

Baseado num episódio da vida de um dos filhos de Luis Sepúlveda, a História de um gato e de um rato que se tornaram amigos oferece-nos uma vez mais uma fábula singela e divertida sobre o verdadeiro valor da amizade.

Lançamento do livro(retirado do youtube)
Ilustração:Paulo Galindro, muito bem conseguida, adorei a ilustração, os meus parabéns.

Minha opinião:
Uma fábula fabulosa, que se baseia no valor da amizade entre dois animais que à partida deveriam ser rivais. Pois não é normal um gato gostar de um rato e vice-versa.
Max era um menino que adoptou um gato ao qual deu o nome de Mix, o tempo foi passando e Mix devido à sua idade ficou cego. É então que conhece um ratinho que não tinha nome e Mix batizou de Mex, pois era um ratinho mexicano. Mex era os olhos de Mix e Mix dava os cereais que Mex mais gostava.
Gostei muito desta fábula... aconselho a sua leitura que também é dos 9 aos 99.
Boas leituras!

Uma grande verdade...pelo menos para mim

retirado daqui
 A mim isto acontece muitas vezes, por isso é que por vezes demoro mais a ler pois estou a gostar tanto que entro em ressaca no final do livro. Pois deixo envolver-me em demasia com as personagens. 
Contudo gosto de ter ressaca literária é sinal de vivi as personagens como se estivesse dentro do livro a viajar no tempo e espaço.

Boas leituras!

domingo, 22 de junho de 2014

Simplesmente maravilhoso...


NADA A ACRESCENTAR ...MAGNÍFICA DESCRIÇÃO
RETIRADO DAQUI 

sábado, 21 de junho de 2014

Desafio literário...


Olá!
Aqui vai um desafio para quem como eu tem muitos livros em casa por ler, que tal aproveitar este verão para colocar as leituras mais ou menos em dia?

Tenho tantos livros aqui em casa para ler que mesmo lendo 40 ainda ficaria com muitos e muitos mais para ler. 

Acho que nesta época do ano é uma boa altura para ler, sol, praia e um livro, não se pode querer melhor.Mas como o tempo não me parece muito bom também se pode ler em casa ou numa esplanada.

Vamos ler, ler muito mais do que muito, não pelo número mas pelo prazer de ler e para que no outono possamos ver a nossas estantes com menos livros por ler e muitos mais para ler.

Vamos ler pelo prazer de ler, ler romances, ler magia, ler sedução, ler policial, ler suspense, fazer deste verão único.

Este é o desafio que vou colocar a mim própria e gostava muito que aderissem.

Boas férias e leituras!


Verão chegou ...finalmente



sexta-feira, 20 de junho de 2014

Minha opinião sobre o livro "Quando éramos mentirosos" de E. Lockhart

Quando Éramos Mentirosos
 
E se alguém lhe perguntar como acabar este livro… MINTA.
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 312
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892327365

Sinopse:

A família Sinclair parece perfeita. Ninguém falha, levanta a voz ou cai no ridículo. Os Sinclair são atléticos, atraentes e felizes. A sua fortuna é antiga. Os seus verões são passados numa ilha privada, onde se reúnem todos os anos sem exceção. É sob o encantamento da ilha que Cadence, a mais jovem herdeira da fortuna familiar, comete um erro: apaixona-se desesperadamente.
Cadence é brilhante, mas secretamente frágil e atormentada. Gat é determinado, mas abertamente impetuoso e inconveniente. A relação de ambos põe em causa as rígidas normas do clã. E isso simplesmente não pode acontecer. Os Sinclair parecem ter tudo. E têm, de facto. Têm segredos. Escondem tragédias. Vivem mentiras. E a maior de todas as mentiras é tão intolerável que não pode ser revelada. Nem mesmo a si.

Críticas de imprensa
«Absolutamente inesquecível.»
John Green

Opinião:

Bom a minha opinião sobre "Quando éramos mentirosos", não sei o que dizer, sei que gostei bastante, é uma leitura fluída, com muitos diálogos, mas que requer uma atenção pois o tempo anda para a frente e depois volta para trás não sendo desta forma temporalmente linear.

O final é surpreendente deixou-me arrebatadamente surpresa, não contava com esta originalidade por parte da escritora, nem a leitura encaminhava para tal desfecho, gostei mesmo muito.

A história é simples, mas tem o sei quê de misterioso. 

Uma família rica proprietária de uma ilha privada, para onde todos os verões as filhas e os seus filhos vão passar férias, para junto do avô e da avó (que morre logo no início do livro).
Os Mentirosos são um grupo de adolescentes Cadence a neta mais velha, Johnny, Mirren e Gat. Eles faziam piqueniques, e tentavam manter-se o mais afastados das suas mães, que diga-se de passagem abusavam um pouco do álcool e passavam a vida a discutir sobre quem ia ficar com as diferentes casas da ilha privada.

Cadence é apaixonada por Gat e eu penso que ele também era por ela, Mirren era uma sonhadora e Johnny posso dizer que era o rebelde do grupo dos mentirosos.

Porquê que se chamam mentirosos não posso contar, só posso dizer que Cadence sofre um acidente e tudo muda.

Agora meus caros amigos leiam, pelo menos eu adorei este livro, tudo nele está maravilhosamente narrado, claro que não é uma obra prima mas é um bom livro, aconselho vivamente.

Boas leituras!


A escritora _ E.Lockhart_





E. Lockhart, pseudónimo de Emily Jenkins, foi finalista do National Book Award, bem como do Michael L. Printz Award.
Tem um doutoramento em Literatura inglesa e dedica-se sobretudo à literatura juvenil. Vive em Nova Iorque.



Boas leituras!

terça-feira, 17 de junho de 2014

Aceito sugestões!

retirado deste site
Como já tinha referido numa mensagem anterior, ou talvez comentário (não me recordo), vou ser operada, e ficarei pelo menos 5 dias no hospital...Estão a questionar o que tem a imagem a ver com isso, para mim tem muito. Pois tenho que começar a ver as leituras que vou levar para me entreter. Aceito sugestões!
Boas leituras!

...esta noite ... com insónia...não encontrava uma.... Posição para ler!

Não conseguia largar o livro, mas já estava sem uma posição para ler. Eu sou muito lenta a ler mas estou a gostar muito deste livro, acho que corri quase todas estas posições para ler e ainda andei a ler nos diferentes lugares da casa ;). Um bibliófilo é mesmo assim, quando se agarra a um livro ou o livro se prende ao leitor não existe outra solução, até ser vencida pelo sono.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

sábado, 14 de junho de 2014

Minha opinião _A Culpa é das Estrelas_ de John Green

A Culpa é das Estrelas
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 256
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892320946

Sinopse:
"Apesar do milagre da medicina que fez diminuir o tumor que a atacara há alguns anos, Hazel nunca tinha conhecido outra situação que não a de doente terminal, sendo o capítulo final da sua vida parte integrante do seu diagnóstico. Mas com a chegada repentina ao Grupo de Apoio dos Miúdos com Cancro de uma atraente reviravolta de seu nome Augustus Waters, a história de Hazel vê-se agora prestes a ser completamente rescrita.

PERSPICAZ, ARROJADO, IRREVERENTE E CRU, A Culpa é das Estrelas é a obra mais ambiciosa e comovente que o premiado autor John Green nos apresentou até hoje, explorando de maneira brilhante a aventura divertida, empolgante e trágica que é estar-se vivo e apaixonado."(retirado do site wook)

Críticas da imprensa:
«John Green não é apenas um autor. É uma vedeta da multimédia que se apresenta perante auditórios de mil lugares de fãs aos gritos.»
Los Angeles Times

"Um romance de vida e morte e das pessoas que apanhadas pelo meio, A Culpa é das Estrelas é John Green no seu melhor. Rimos, choramos e depois voltamos para ler mais"                         Markus Zusak, vencedor do Printz Honor e Autor Bestseller de A rapariga que roubava livros.

"Repleto de explosões descontínuas de humor e tragédia, A Culpa é das Estrelas dá a volta a temas universais - Serei amado? Serei recordado? Deixarei a minha marca neste mundo?-elevando dramaticamente a fasquia das personagens que fazem as perguntas"
Jodi Picoult, autora Bestseller de Para a minha irmã e uma Melodia inesperada.

Adaptação ao cinema: 




Minha Opinião:
Não sei por onde começar. Quando um livro nos prende de tal forma que nos leva a esquecer que temos de escrever algo sobre ele, torna-se muito complicado.
Amei esta leitura é um pouco complicado de entrar nela, mas quando começamos a sentir o que os protagonistas sentem ao lidar com a doença _ cancro_ deixou-me muito para pensar. Por vezes senti-mo-nos tristes por coisas tão banais, sentimos que não temos forças para erguer a cabeça e continuar em frente, acabamos por ser ridículos com os nossos problemas banais.

Este é um livro que mexeu com as minhas emoções se por um lado me fez sentir otimista em relação ao final dos personagens, por outro, ficava reticente em relação ao cancro da  Hazel, por outro estremecia com a atitude dela e do seu "amigo colorido" Gus, que tinha amputado uma perna para vencer o cancro.

Os últimos desejos dos protagonistas vão ou não concretizar-se? Conseguirá Hazel superar o seu cancro nos pulmões que faz com que ela ande sempre com o saco de oxigénio atrás dela?

Como vai correr a viagem a Amesterdão, se é que se vai realizar?

Estas são as algumas das perguntas que deixo no ar para tentar cativar os leitores do blog sentirem-se atraídos pela leitura desta obra de John Green.



Boas leituras e por favor não percam este livro, se não o podem comprar levantem numa biblioteca e depois vejam o filme, estou à espera deste para ver, e rir e chorar.

O escritor _ John Green_

John Green

John Green é autor de vários bestsellers do The New York Times. Recebeu o Michael L. Printz Award e o Edgar Award. Foi por duas vezes finalista do L. A. Times Book Prize. Os seus livros foram traduzidos em mais de vinte línguas. John é também o cocriador, com o seu irmão Hank, do vlogbrothers, uma série de vídeos on-line que já foram visionados mais de 100 milhões de vezes. (retirado do site wook)

Boas leituras

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Bom final de semana...

retirado daqui 
Este vai ser a minha companhia de final de semana, já o estou a ler e a gostar...é um género que já não lia faz algum tempo. Mas sobretudo é diferente de tudo o que li.
Boas leituras.

Adorei este poster...

retirado daqui

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Minha opinião sobre:"Private Principal Suspeito" de James Patterson e Maxine Paetro

Private: Principal Suspeito
de James Patterson e Maxine Paetro 
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 384
Editor: TopSeller
ISBN: 9789898626318
Coleção: Série Private


Sinopse:
"Uma ex-namorada assassinada. Investigações à margem da lei.
A Private é a agência de investigação mais eficiente do mundo, criada para resolver de forma discreta os problemas dos ricos e poderosos. Jack Morgan, antigo fuzileiro naval e agente da CIA, é o seu dono. Os agentes da Private são os mais inteligentes e rápidos, e dispõem das tecnologias mais avançadas.
Desta vez, é o próprio Jack Morgan que se torna o principal suspeito da morte da sua ex-namorada. Ao mesmo tempo que é vigiado pela polícia, a Máfia obriga-o a recuperar 30 milhões de dólares em material farmacêutico roubado, e a bela presidente de uma cadeia de hotéis pede-lhe que investigue uma série de assassínios ocorridos nas suas propriedades.
Numa luta contra o tempo para provar a sua inocência, Jack tem de enfrentar os inimigos mais fortes e inteligentes de sempre. Com mais ação, intriga e surpresas do que nunca, Private: Principal Suspeito éJames Patterson ao seu melhor nível."(retirado do site wook)

Críticas da imprensa:
"Private irá agarrá-lo desde a primeira página e obrigá-lo a permanecer sentado até chegar ao fim. Uma excelente estreia para uma nova série do mestre dos thrillers emocionantes e cheios de ação" lorisreadingcorner.com

"Inteligente e cheio de suspense" BookLoons.com

"Private combina ação, mistério e drama pessoal...Patterson e Paetro podem estar à beira de ultrapassar a popularidade da sua série O Clube das Investigadoras" BookReporter.com

"Patterson parece ser imparável" USA Today

"James Patterson sabe como gerar emoções e suspense" People

"Os romances de Patterson são máquinas de entretimento engenhosas, os Porsches da ficção popular, escritos com habilidade e com um ritmo à velocidade da luz." Publishers Weekly

"Patterson é o melhor contador de histórias da América" Forbes

Minha opinião:

Mais um livro de Patterson que agarrei e li de forma devoradora mas muito  calma. Gosto de saborear os livros quando eles me prendem, e os livros destes escritores têm esse efeito sobre mim, quando dou conta estou a reler os capítulos anteriores só para tentar descobrir quem são os malfeitores.
Neste livro a principal história baseia-se na morte de uma ex-namorada de Jack, o todo poderoso da agência Private, o principal suspeito é ele mesmo Jack. Mas nas entranhas do livro surgem muitos casos, que acabam por ter a capacidade de nos fazerem esquecer do caso principal. Homens são encontrados mortos nos hotéis da mesma proprietária. Uma atriz jovem que aparece morta sendo o principal suspeito o seu namorado. Um caso de tráfego de droga. Amores mal resolvidos....
Ou seja, quem pensa que este livro pode ser aborrecido como muitos policiais que só tratam de um caso está completamente enganado, e é esta versatilidade que me fascina nos livros destes escritores.
Enquanto se lê o livro de capítulos curtos, vamos saltando de história para história o que não me deixou fazer esta leitura em local barulhento, pois apesar de estar presa às histórias todas tenho que estar concentrada.
Mais uma vez aconselho James Patterson e Maxine Paetro  para quem gosta de policiais e para quem não gosta também. Eu achava que não gostava e já li uns quantos que tenho na minha estante e vou continuar a ler os restantes, não antes de fazer uma pausa claro. Porquê a pausa? Simplesmente porque não tenho muitos dele aqui por casa, e também não tenho o hábito de ler o mesmo autor seguido, acabaria por ficar farta, duvido mas não quero arriscar.
Excelente livro nota 7.
Boas leituras.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Minha opinião sobre o livro "Prometo Amar-te" de Krickitt Carpenter, Kim Carpenter;



Prometo Amar-Te
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 160
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722351393

Sinopse:
"Kim e Krickitt conheceram-se por mero acaso, através de um contacto telefónico, em setembro de 1992. Em abril de 1993, encontraram-se pela primeira vez e sentiram que era como se sempre se tivessem conhecido. Entre as muitas afinidades que os aproximavam contava-se uma fé religiosaprofunda. A 18 de setembro de 1993, uniam os seus destinos na Scottsdale Bible Church, em Phoenix, no Arizona. Mas a vida é cheia de surpresas e, menos de dez semanas mais tarde, um brutal acidente rodoviário iria pôr à prova o amor do jovem casal e a coerência dos votos que tinham proferido. Contudo, Krickitt perdera definitivamente a memória do tempo anterior ao casamento e nem sequer reconhecia aquele homem que dizia ser seu marido. Este livro é o relato de uma história verídica, que comoveu toda a América e inspirou um filme."

Adaptação ao cinema:

Krickitt Carpenter
Kim e Krickitt Carpenter vivem atualmente em Farmington, no estado do Novo México, nos Estados Unidos. A sua história foi divulgada em diversas revistas e jornais de grande tiragem nos Estados Unidos, e mesmo em outros países, assim como em programas televisivos de grande difusão como The Oprah Winfrey Show, CNN News, CBS Day and Date, The Family Channel, e até na MTV.

Minha Opinião:
Uma história verídica que apesar do fato de tornar a leitura mais aliciante também a torna mais triste e o meu coraçãozinho deitou umas lágrimas. 
Até onde pode ir o amor? Esta é a questão que tinha sempre na minha mente, ainda para mais e volto a repetir por ser uma história verídica. Garanto que se não soubesse que que era real, diria que era um romance muito bonito e simples mas impossível de ocorrer na vida real.
Mal acabei de ler o livro ( que foi lido no meio do livro A Mulher do Piloto), pesquisei na Youtube e vi o filme que esse sim me levou às lágrimas ;(, mas também tem cenas que levam ao riso. Aconselho a leitura do livro e só depois a visualização do filme.
Adorei...;) e como tal aconselho vivamente a sua leitura e vejam o filme é lindo de morrer.

Boas leituras!