domingo, 4 de outubro de 2015

Desabafo de um escritor com Tetraparésia

Escritor Luís Abreu
Após uma longa troca de e-mails com o meu querido amigo Luís propôs que escreve-se sobre a sua condição de ser um escritor tetraplégico, das suas limitações e dos seus sonhos, este meu pedido foi gentilmente aceite pelo Luís e aqui deixo o que ele me enviou via e-mail.
Nada foi alterado, está exactamente como ele me enviou.

« Muitos me perguntam como é que um tetraplégico escreve. Eu explico. Não sou tetraplégico sou tetraparésico. Escreve-se com o cérebro e com os dedos – que não paralisam numa tetraparésia.
Eu uso o rato e o teclado virtual do Windows. E sei de casos de tetraplégicos que escrevem tocando nas teclas com um lápis preso entre os dentes. Há casos muito piores que o meu. Haja paixão. Haja amor ao que se faz.
Quanto ao processo de escrita, na prosa, começo por imaginar a história em traços gerais e depois vou construindo ao redor disso sem nunca perder o meu objetivo de vista. Um bom truque é dar um nome ao texto logo que se arranca. Isso mantém-nos focados. Já na poesia o processo é ligeiramente diferente. Como um poema é, normalmente, escrito muito rapidamente, é quase impossível perdermos o foco. Esse é um dos motivos para não dar nome aos poemas: não é preciso.
Se calhar tenho tido sorte, mas tirando um – que já explico – a minha condição não me tem trazido problemas na edição, já na divulgação a história é diferente. Um autor pouco conhecido – como eu –, no meu entender, tem duas hipóteses para divulgar o que faz: ou é extremamente talentoso – que não acho que seja o meu caso – ou baseia a divulgação em entrevistas e apresentações – atividades muito limitadas para um tetraplégico que quase não fala. Por exemplo: ninguém entrevista um mudo na rádio.
A dificuldade que tenho na edição é financeira. Como sou tetraplégico não trabalho e a ridícula reforma que recebo é a minha única fonte de rendimento já que os livros são uma casmurrice e contam mais como despesa que como rendimento. Editar, a mim, custa dinheiro. Se calhar existem apoios para casos como o meu, mas estão, de certeza, pouco divulgados – que é o mesmo que não existirem. Sem falsas modéstias, acho que casos como o meu deveriam ser apoiados, mas enfim: haja amor ao que se faz.
O amor ao que se faz deve mesmo ser a terceira regra de qualquer escritor. A primeira é ler e a segunda é escrever. A inspiração existe, mas quando ela chega convém estar a transpirar. É do que ela se alimenta: dar-lhe de comer é boa ideia. Excelente ideia, aliás.»
Cumprimentos,
Luís Abreu

Gostava só de a título pessoal explicar o que é a tetraparésico é uma desordem na qual músculos dos quatro membros ficam fracos. Em seres humanos, a tetraparésia afeta os músculos de ambos os braços e pernas.
Aqui temos alguns dos livros já lançados pelo escritor Luís Abreu...

O trabalho mais recente do escritor Luís Abreu vai sair este mês e tem o nome de "AVC do amor", pessoalmente gosto muito do título do seu livro. 
O lançamento será realizado...

O livro tem uma capa linda, e uma sinopse extraordinária...promete.

Leiam Luís Abreu eu já li e estou a ter o prazer de acompanhar a sua mais recente obra, ele um talento fantástico e como ele próprio o diz:"haja amor ao que se faz".

Boas leituras!

7 comentários:

  1. Olá,
    Este autor é uma verdadeira lição e história de vida. É também a prova viva de que somos capazes de tudo e da importância de seguirmos os nossos sonhos!
    Dou-te os meus parabéns por partilhares este testemunho. :)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tânia,
      O Luís é dos seres humanos mais encantadores que conheci até hoje, a humildade e sabedoria dele fizeram-me olhar para a vida de uma forma completamente diferente. Apreender a dar valor às pequenas coisas que o dia nos oferece, aos pequenos gestos é algo que o Luís faz com uma sabedoria extrema.
      Guardo-o no meu coração com muito carinho e amor amigo.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  2. bem... vcs deixam-me todo sujo... estou aqui todo babado... beijinhos vou-me limpar (ao lençol, que está mesmo aqui)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Meu querido amigo Luís,
      As verdades devem ser ditas, neste caso escritas.
      Beijinhos carinhosos.

      Eliminar
  3. Olá
    Eu não conhecia mas vou começar a seguir.
    Obrigada por divulgares, Carla.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
  4. Muito interessante! Não conhecia!

    (só um pormenor: não é "escreve-se" mas "escrevesse").

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ângela,
      Que bom que gostaste e achaste interessante,e obrigada pelo alerta,
      Mas tenho pena que não participes mais no blog sem ser para fazer essas chamadas de atenção. Realmente dar erros num blog literário não é nada bonito, mas acontece e é sempre bom saber que existe alguém pronto para os corrigir.
      Boas leituras.

      Eliminar