sábado, 14 de janeiro de 2017

Opinião I "Irmão Lobo" da escritora Carla Maia de Almeida


Irmão Lobo
Carla Maia de Almeida
Ilustração de António Jorge Gonçalves
Editora: Planeta Tangerina
ISBN: 978-989-814- 553-6
N.º de páginas:120 páginas

Sinopse:
Depois de O Caderno Vermelho da Rapariga Karateca, que inaugurou a nova coleção, o Planeta Tangerina publica Irmão Lobo, com texto de Carla Maia de Almeida e ilustrações de António Jorge Gonçalves.
Numa narrativa a duas vozes, esta é a história de uma família obrigada a mudar de vida e de uma viagem por um país que se desmorona. Nela se cruzam a voz de Bolota, 8 anos, quando parte «em expedição pela estrada fora, em direção ao fogo e ao centro da Terra»; e a da mesma personagem, já adolescente, recordando a estranha aventura passada na infância.
Malik. Penso nele como um totem que mantinha a tribo unida, a tentar adaptar-se ao apartamento e a sonhar com o seu antigo tipi rodeado de verde.
Nas poucas fotografias que tirámos depois e ele partir, parecemos um punhado de moedas atiradas ao ar, caídas ao acaso, afastadas umas da outras. Esta, por exemplo, com a Blanche a olhar para mim, Alce Negro a olhar o céu, o Fóssil a olhar para os ténis e a Miss Kitty de óculos escuros, a olhar para dentro, para os lugares onde só ela entrava.
Depois daquele verão em que tudo começou a arder, nunca mais aparecemos os cinco nas fotografias. Foi o verão da Grande Travessia no Deserto da Morte. Ou simplesmente, o verão da Grande Travessia.
Lembro-me como se fosse hoje." retirado a contracapa do livro

Minha opinião:
Este livro faz parte do plano de leitura do terceiro ciclo de escolaridade, fazendo parte de uma leitura infantojuvenil.
Quando terminei esta excelente leitura recordei-me do livro "O Principezinho", logo conclui que este livro é para todas as idades e no meu ponto de vista, deveria ser lido por muitos adultos.
Ao longo do livro deparámo-nos com uma história de enredo forte que relata o desmoronar de uma família que se encontra em estado de rutura.
A narradora da história é Bolota que vai nos fornecendo uma perspetiva da sua vida aos 8 anos e aos 15 anos.

Gostei muito da forma como os dois pontos de vista se encontram organizado neste, páginas e diferentes cores e ilustrações extraordinárias.
As dúvidas, problemas e questões de Bolota na sua infância, de quem tem a ideia de ter nascido fora do tempo apresentada pela protagonista de uma forma de certo modo dura, conseguiu que eu como leitora, me sentisse dentro da própria história e olhar a mesma através do olhar da Bolota. As suas aventuras com Alce Negro, as suas viagens sem sair do lugar, encolhemos com ela face ao Homem de Gelo, sentindo como a própria Bolota o medo que se forma quando uma  família começa a desmoronar, eu sofri com a protagonista, pela antecipação e derrocada silenciosa que a sua vida acaba por levar.
Esta é sem dúvida uma história que nos fica no coração mas acima de tudo na alma.
É um livro que tenho a certeza que irei reler assim como faço com "O Principezinho" é um livro que me fez refletir muito, sobre a importância da família e o modo como a sua destruição pode criar uma quebra de afetos em todos os seus elementos.
Desengane-se quem pensa que é um livro infantojuvenil, este livro deve ser lido e relido em todas as idades.

Classificação de 5* no Goodreads.
Aconselho vivamente a sua leitura.

Boas leituras.