29 de Julho de 2014


Minha opinião sobre o livro "A Viúva e o Papagaio" de Virginia Woolf

A Viúva e o Papagaio
 
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 48
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-72680-3
Idioma: Português

Sinopse:

Metas Curriculares de Português - Leitura obrigatória para o 5.° ano.

Imprevisível, divertido e inteligente, este conto acompanha a aventura da Sra. Gage, uma velha viúva que descobre uma herança inesperada com a ajuda de um papagaio invulgar. "Não está ninguém em casa!", "Não está ninguém em casa!" é só o que o papagaio James sabe dizer, mas ele esconde um segredo, assim como esta história esconde uma lição…

Coleção Educação Literária reúne obras de referência da literatura portuguesa e universal indicadas pelas Metas Curriculares de Português e pelo Plano Nacional de Leitura do Ensino Básico e Secundário.

Minha Opinião:

Um livro de leitura muito simples pois só assim poderia ser dado que faz parte do plano de leitura do 5.º ano de escolaridade. Quando o comprei foi com a plena noção que era um livro infantil mas também nunca tinha lido nada de Virginia Woolf, e nada melhor por começar por uma leitura simples de uma escritora nada simples.
Gostei da história, muito bem escrita e traduzida, com ilustrações maravilhosas de Aurélie de Sousa e tradução de Alexandra Guimarães.
Sabe bem ler um livro infantil de vez em quando, pois lembra a minha infância, nessa altura não tinha livros tão bonitos para ler, daí ficar contente com a leitura de livros infantis. 
Boas leituras!

A escritora _ Virginia Woolf_

Virginia Woolf

Escritora inglesa nascida a 25 de janeiro de 1882, no seio de uma família da alta sociedade londrina, e falecida a 28 de março de 1941. O pai, Sir Leslie Stephen, era crítico literário. Virginia Stephen, nome de solteira, passou a infância numa mansão londrina com os três irmãos e tratada por sete criados, convivendo com personalidades como Henry James e Thomas Hardy. Virginia tinha 13 anos quando a mãe morreu e 22 quando chegou a vez do pai falecer. Os quatro irmãos foram então viver para Bloomsbury, um bairro londrino da classe média-alta. Airmã mais velha, Vanessa, de 25 anos, tomou conta dos restantes três. 
Em sua casa foi formado o Grupo de Bloomsbury, onde se reuniam regularmente personalidades como os poetas T. S. Elliot e Clive Bell, o escritor E.M. Forster entre outros artistas e intelectuais. Os quatro irmãos, entretanto, viajaram pela Grécia e Turquia, mas pouco depois do regresso morreu Tholby, em novembro de 1906. Virginia sofreu a primeira de muitas grandes depressões. Casou em 1912 com o crítico literário Leonard Woolf, que viria a ser o seu companheiro de toda a vida
The Voyage Out, de 1915, marca o início da sua carreira de romancista, mas só dez anos depois, comMrs Dalloway, considerado o seu primeiro grande romance modernista, chegou o reconhecimento como escritora reputada. Orlando, obra de 1928, confirmou as qualidades de Virgina Woolf. Esta obra tem um protagonista andrógino, inspirado na sua amiga Vita Sackville-West, com quem manteve uma longa relação íntima. Após obras como A Room of One's Own (Um Quarto Que Seja Seu), onde defende a independência das mulheres, The Waves (As Ondas) e The Years (Os Anos), em 1938 lançou um romance polémico, Three Guineas (Os Três Guineus), na sequência da morte de um sobrinho na Guerra Civil espanhola. Neste livro, Virginia Woolf defende que a guerra é a expressão do instinto sexual masculino. A 28 de março de 1941, pouco depois de ter lançado Between the Acts, Virginia Woolf suicidou-se, atirando-se a um rio com os bolsos cheios de pedras. Foi a segunda tentativa em poucos dias, interrompendo assim uma carreira marcada pela obtenção de diversos prémios literários, dos quais, contudo, só aceitou um, o Fémina, de França. 
Paralelamente à atividade de escritora, Virginia, em conjunto com o marido, fundou e manteve uma editora, destinada a publicar textos experimentais, textos de amigos e traduções de russo. Intitulada Hobart Press, a editora funcionava em moldes caseiros, depois de em 1917 Leonard ter oferecido à esposa uma pequena tipografia.

In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2011

Tinha que partilhar aqui no blogue...fartei-me de rir...

retirado daqui

27 de Julho de 2014

26 de Julho de 2014

Minha opinião sobre a _Saga TRYLLE_ da escritora Amanda Hocking

Trocada
Trilogia trylle - Vol I
Uma história de amor arrepiante da maior revelação literária desde a saga Twilight.
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 272
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892318172

Sinopse:

Aos seis anos Wendy escapa à morte quase por milagre - e quem a tenta matar é a própria mãe, acha que a filha não é sua, mas sim uma intrusa, trocada à nascença no hospital. Onze anos mais tarde, a estranha adolescente, de cabelos negros, começa a suspeitar de que a mãe, se calhar, até tinha razão. Na nova escola, mais uma entre tantas, ela sente-se posta à parte por todos. Menos por Finn Holmes, um rapaz silencioso e sombrio que se limita a olhá-la fixamente - e lhe desperta sentimentos contraditórios, um medo enorme, e uma irresistível atração. Finn é um Achador, que a procura há anos. E agora que a encontrou, quer levá-la para casa, para o reino dos Trylle, onde Wendy vai descobrir o que sempre suspeitou - ela é mesmo diferente, e tem poderes mentais muito mais poderosos do alguma vez imaginara. Primeira romance da Saga Trylle, Trocada é um fenómeno editorial sem precedentes. A autora foi rejeitada por dezenas de editores. Até que um dia decidiu publicar os seus livros sozinha, e vendê-los em sites, para pagar uma viagem a Chicago. O sucesso foi imediato, vendeu mais de dois milhões de exemplares.

Críticas de imprensa
“Os seus livros provocaram um frenesim que já não se sentia desde Stephenie Meyer ou até mesmo J.K. Rowling.”
The New York Times

Dividida
Trilogia trylle - Vol II
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 296
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892321097

Sinopse:
Quando Wendy fica a conhecer a terrível verdade sobre si própria - foi trocada à nascença - sente que o mundo à sua volta começa a desabar. A estranha adolescente, de negros cabelos, tenta fugir das evidências, tenta negar o facto de ser uma princesa Troll, dotada de poderes que não domina nem compreende. 
Decidida a fugir, consegue escapar à vigilância de Finn, o seu belo, sombrio e inacessível guarda-costas. Mas o que a espera é talvez um destino mais terrível. Raptada pelos históricos inimigos dos trolls, ela cairá nas mãos dos Vittra. E aos poucos descobre que uma inesperada atracção por um príncipe do povo rival… 
Dividida entre a lealdade e o amor, entre o dever e a paixão, Wendy sabe que terá de crescer para evitar uma guerra. Terá de aprender a dominar os seus poderes mágicos - e aceitar o seu destino. 
Dividida é a segunda parte da fenomenal saga Trylle. A autora, Amanda Hocking, de 26 anos, viu os seus livros rejeitados por dezenas de editores. Até que um dia os decidiu publicar sozinha, e vendê-los em sites. O sucesso foi imediato, vendeu mais de dois milhões de exemplares - e hoje, tal como a Wendy dos seus livros, Amanda vive como uma princesa, num palácio só seu, num mundo que ela própria construiu...
Rainha
Trilogia trylle - Vol III
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 264
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892323305

Sinopse:
Prestes a tornar-se Rainha, Wendy enfrenta uma escolha impossível. Para conseguir salvar o seu reino terá de se sacrificar a si própria. Conseguirá ela escapar ao destino? A vida de Wendy está prestes a mudar para sempre. Dentro de alguns dias, quando fizer 18 anos, vai casar-se com um homem que não ama e tornar-se rainha dos trylle. E parece inevitável entrar em guerra contra o próprio pai, o maléfico rei dos vittra. Wendy enfrenta a mais difícil escolha da sua vida. A única forma de salvar os trylle dos seus inimigos mortais é sacrificando-se a si própria e entregar-se como prémio ao pai. Mas como poderá ela abandonar as pessoas que ama, mesmo quando essa é a única maneira de as salvar? 

Como se tudo isto não bastasse, Loki, o vittra que ajudou Wendy a fugir do rei Oren, vem pedir-lhe asilo. O seu súbito aparecimento faz despertar novamente a paixão que os une. A sua vida amorosa complica-se ainda mais, pois Finn, o seu leal guarda-costas, não parece disposto a abrir mão dela. Nunca tanto esteve em jogo e Wendy, apaixonada por Finn e por Loki, vai ter de se decidir…

Minha opinião:

   Esta é a primeira vez que dou a opinião de uma saga só no final de a ler por completo. Achei que tinha uma certa lógica fazer assim, visto que, os livros são todos eles uma sequência, ou seja, podia ser um livro único que não saía a perder em nada, só talvez no facto de ser muito grosso e poder não captar os leitores a comprar.

Antes de começar a dar a minha opinião gostava de salientar duas coisas, a primeira está relacionada com as capas, adorei achei mesmo lindas todas elas, mesmo que queira eleger uma não conseguia, por isto muitos parabéns a Carlos Miranda que adaptou as capas para os livros em português.
O outro aspecto está relacionado com a crítica de imprensa que refere o seguinte:
“Os seus livros provocaram um frenesim que já não se sentia desde Stephenie Meyer ou até mesmo J.K. Rowling.”
The New York Times


Discordo não na sua totalidade mas não queria deixar passar em branco, se eu não soubesse quem era a escritora desta saga e tivesse que escolher, sem sombra de dúvida que escolhia J.K.Rowling...porquê? Pela forma como o livro está bem escrito, pelos feitiços, pela estrutura da própria história, que em algumas partes me faz lembrar o Harry Potter, mas principalmente porque nesta saga não entram vampiros nem nada que se assemelhe. Temos sim muita magia poderosa e até os amigos de Wendy (personagem principal)que me fizeram recordar os amigos de Potter.

Não quero de de algum modo induzir em erro que esta saga é cópia da saga do Harry Potter, não tem nada a ver a sua história, mas The New York Times fez uma crítica, quanto a mim muito pouco conveniente.Contudo e reflectindo melhor a crítica refere que cria o mesmo frenesim dos livros das escritoras mencionadas e nesse aspecto devo referir que estou de acordo apesar de esta saga não ter sido muito divulgada como deveria ter sido.

Bom relativamente à minha opinião quero aconselhar a quem gosta deste tipo de leitura leiam, não se vão arrepender.

Wendy é uma menina cuja mãe não gosta dela e a chama de monstro, afirmando várias vezes não ser sua filha. No dia do seu 6.º aniversário a sua mãe faz um bolo de chocolate mesmo sabendo de a sua filha não gosta, entrando desta forma numa discussão acesa e tenta matar a sua filha espetando uma faca na sua barriga, se não fosse Matt (irmão mais velho de Wendy) ela teria matado a sua filha. Entretanto a mãe é internada numa casa de doentes mentais. E Wendy com os anos a passar chega aos seus 17 anos e meio. É aqui que entra Finn Holmes e entra a magia, Finn é um localizador do reino Forening e que veio buscar Wendy, pois ela é a princesa do reino mencionado anteriormente.
Depois de muitas lutas e magias ele consegue levar Wendy para o lugar que lhe pertence.
Então surge uma questão se Wendy não é a filha esperada da família humana, então onde está o verdadeiro filho humano?

No primeiro volume é nos dado a conhecer, não só o que referi anteriormente  como ainda a Wendy fica a conhecer  a sua verdadeira mãe a rainha Elora, o palácio maravilhoso e o brutal quarto de Wendy. Também ficamos a saber que a princesa tem que andar sempre acompanhada por um guarda no caso de Wendy é o seu localizador, que pela discrição é lindo de morrer e claro que vai surgir uma paixão entre ambos. Não quero adiantar muito mais do primeiro volume da saga pois assim tiro a pica para quem quer ler.

No segundo volume temos a entrada dos vittra, que são rivais dos trylle _ trolls_ do reino Forening. Os vitra são governados por um rei muito poderoso mas também muito controlador. É de referir que os vittra apesar de serem muito fortes estão em menor número que os trylles.
Ao longo do segundo volume vamos descobrir quem é o verdadeiro pai de Wendy e o porquê de os trylles mais poderosos socialmente utilizarem substitutos para os seus verdadeiros filhos que são criados pelos humanos até tenra idade. No segundo volume a Wendy começa a praticar os seus poderes com Tove, e também vai ficar noiva mas será que vai casar?! Neste volume existe um afastamento entre Wendy e o seu localizador. Contudo ela conhece um vittra lindo de morrer. Finn dá a conhecer algo muito importante do seu noivo, o que faz com que o localizador não tenha ciúmes do Tove.

No terceiro e último volume, que foi o que li mais rapidamente acontecem coisas impensáveis. Wendy, a futura rainha vai ter que decidir entre ir viver com os vittra e acabar com as guerras ou continuar no seu reino e lutar contra os vittra.
Wendy fica a conhecer melhor a sua mãe biológica e gosta daquilo que lhe é dado a conhecer pela própria mãe. Aparece também o vittra lindo de morrer a pedir amnistia, devido ao facto de ter sido muito mal tratado pelo rei. Será que Wendy que agora ocupa o papel da mãe nas reuniões vai conseguir o consenso entre todos?
Este é o último volume da saga a rainha está fraca e Wendy vai casar com Tove, contudo a o rei do reino vittra Oren aparece a meio da cerimónia para levar a filha ao altar e sarcasticamente relembra que depois do casamento acabaram-se as tréguas.

Não vou adiantar mais desta saga pois acho que assim esta perderá a beleza.




Boas leituras!