terça-feira, 27 de agosto de 2019

Opinião | "Um Amor Perdido" de Anna McPartlin

Um Amor Perdido
Anna McPartlin
Editora: Quinta essência
Edição: 2014
Páginas: 356
Romance
Preço Wook:15,90euros
Nota:livro levantado na biblioteca
Sinopse:
A 21 de junho de 2007 Alexandra Kavanagh saiu de casa, falou com a vizinha, meteu-se no comboio, chegou à estação de Dalkey e desapareceu. 
Tom está destroçado. Não encontra a mulher, o seu mundo desmoronou e o seu único objectivo é localizá-la.
Durante dezassete anos, Jane cuidou do filho Kurt, da excêntrica irmã Elle, e da rabugenta mãe Rose. A única pessoa de que não cuida é dela própria.
Elle é artista e considerada um génio. Como tal, o seu comportamento um tanto errático é tolerado. Embora a sua vida pareça perfeita, a tristeza de Elle é por vezes profunda. Leslie perdeu toda a família para o cancro. Passou vinte anos à espera de morrer, mas após uma operação radical está determinada a viver de novo. Quatro meses depois do desaparecimento de Alexandra. Tom entra num elevador com Jane, Elle e Leslie para um concerto de Jack Lukeman. Uma hora mais tarde, os quatro desconhecidos saem de lá com as suas vidas entrelaçadas para sempre. 
Um Amor Perdido aborda o alcoolismo, a depressão, a negação e a dor e ainda assim irá dar por si a sorrir e até a rir.

Opinião:
Quando li a sinopse do novo livro de Anna McPartlin, para saber se o levantava na biblioteca, fiquei com a ideia com a ideia que o desenrolar da história seria em volta do desaparecimento de Alexandra Kavanagh. Contudo, não foi bem estre o enredo da história. O desenrolar desde livro é não em volta da que fugiu de casa mas sim em volta dos que ficam. Só por isto já achei a leitura fascinante, temos inúmeras personagens e todas elas emocionalmente, muito bem construídas.
Adorei os temas abordados, alcoolismo, a depressão, a negação e a dor.

Aconselho a sua leitura.
Classificação de 5 * no Goodreads.

Boas leituras!

domingo, 11 de agosto de 2019

Opinião | "Segredos de família" de Kristin Hannah

Biblioteca de Vila do Conde
Sinopse:
Mãe e filha. Estranhas, separadas, rancorosas. O forçado regresso à casa de verão da família onde as unia ainda o amor pode não ser o caminho mais fácil para a reconciliação. Ali foram felizes, mas ali tudo se perdeu. Ao abandonar o marido, Nora deixou também as filhas para trás. Construiu uma nova vida, tornou-se uma conhecida jornalista de rádio. Ruby, a filha mais nova, ouve com amargura os conselhos que mãe partilha com os ouvintes. Revoltada, aceita a proposta de uma revista para expor os segredos da sua mãe em praça pública, mas a estadia na casa de San Juan pode ainda alterar o destino de ambas. Nora é agora uma mulher madura, realizada. Ruby uma jovem com talento. Poderão perdoar-se? Poderá Ruby perceber as razões da mãe, a Nora reconhecer os seus erros? Um envolvente romance assinado por Kristin Hannah, uma das mais elogiadas ficcionistas do momento. Exímia na procura dos laços que tocam e nos moldam ao longo da vida, Kristin Hannah não hesita em abordar o universo dos sentimentos, das relações de família, o envelhecimento, a força, a coragem necessárias para essa longa viagem da vida. Distinguida com o Rita Award e o National Reader’s Choice, toca de perto a vulnerabilidade do ser humano, mas também a sua capacidade de mudança.

Críticas de imprensa

«Uma fascinante história de amor, cura, perdão e renovação…»
Tulsa World
«A capacidade de Hannah em mostrar profundas e honestas emoções tornam a suas histórias inesquecíveis.»
Romantic Times

«…sobre amor, perdão e compreensão.»
The Barnes & Noble Review

Opinião:

Kristin Hannah, constrói personagens com profundidade, personagens reais, esta é o que me marcou mais na leitura deste livro. O desenrolar da história sem tempos mortos, fez com que me custasse largar o livro.

Não existe muito a contar sobre o livro, o resumo está na sinopse. Gostava de referir que adorei a construção da personagem Ruby que, vai-se ao longo do enredo se desconstrói para depois voltar a se construir como uma pessoa que aprende a não julgar os outros e perdoar, pois por vezes temos de saber perdoar.
Ruby e Caro sofreram muito com o abandono da mãe, contudo, existe sempre uma explicação por detrás dos nossos atos, resta saber se queremos saber o porquê…

Amei este livro, adorei conhecer a escrita de Kristin Hannah e vou ler mais livros dela. Felizmente na biblioteca da minha cidade existem muitos livros dela.

Classificação de 5***** no Goodreads.

Boas leituras!

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Opinião | "Uma nova promessa" de Nora Roberts

Sinopse:
Na família Montgomery, Ryder é o irmão mais difícil de decifrar e é conhecido pelo seu feitio antissocial, mas quando deita mãos ao trabalho, nenhuma mulher resiste ao seu apelo sensual. Exceto Hope Beaumont, a gerente que trabalha para ele no Hotel Boonsboro.
Como ex-gerente de um hotel em Washington, Hope está habituada a excitação e glamour, mas isso não a impede de desfrutar dos prazeres de viver numa pequena cidade. Alcançou tudo o que queria — exceto na vida amorosa. A sua única interação com o sexo oposto são as constantes lutas com o exasperante dono, Ryder Montgomery. Mas ninguém consegue negar a química entre eles… que se incendeia ainda mais com um beijo na noite do Ano Novo.
Quando tudo parece estar a correr bem no hotel graças à experiência de Hope, e surge no horizonte a promessa de felicidade, o seu passado na cidade regressa e faz-lhe uma visita indesejada. Ao ver Hope tão vulnerável, Ryder terá de decidir entre deixar-se afetar pelo passado ou ceder à paixão…

Opinião:
Este é o último livro da trilogia Hotel de Recordações. Gostei muito do livro, o casal amoroso é o Ryder e a Hope, contudo, este livro fala de todos os casais anteriores e também do mais antigo dos casais Lizz  e o Billy, finalmente, o mistério deste casal fantasmagórico vai ser desvendado.

Classificação de 5***** no Goodreads.

Boas leituras!

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Opinião | "Último Amor" de Nora Roberts

 
Sinopse:
Owen é o gestor do clã Montgomery e dirige o negócio de família com mão de ferro e uma folha de cálculo inflexível. E embora os seus irmãos passem a vida a repreendê-lo pela gestão obsessiva, a verdade é que o Hotel Boonsboro está prestes a ser inaugurado na data prevista. A única coisa que não foi planeada por Owen chama-se… Avery MacTavish.
A popular pizaria de Avery é mesmo do outro lado da rua, o que lhe permite ser testemunha da fantástica renovação do hotel - e apreciar o trabalho admirável de Owen. O facto de ele ter sido o seu primeiro namorado na adolescência só torna a situação mais interessante. Sem saber como, Avery sente uma nova atração, nada inocente, a despertar por ele. 

À medida que Avery e Owen iniciam um novo patamar na sua relação, a inauguração do hotel é pretexto para toda a cidade entrar em celebração.

Mas o trabalho de Owen está longe de terminar. Avery não irá baixar a guarda tão cedo, nem perceber que o seu primeiro amor poderá bem ser o último…

Opinião:
O "Último Amor" é o livro dois da trilogia Hotel das Recordações.
No livro 1 o casal amoroso era a Clare e o Beckett, neste segundo volume temos a dona da pizaria, Veta, a Avery e amiga de infância de Owen, que também foi o seu primeiro namorado, aos 5 anos dela e 8 anos dele.
Ao longo desta leitura, não só temos o início de namoro entre o casal referido  anteriormente, confesso desde já que gostei muito, como também temos outros acontecimentos marcantes, como por exemplo, a surpresa do romance entre a matriarca do clã Montgomery, Justine, com o pai da Avery, Willy B. Vivi com alguma intensidade todos os preparativos para a inauguração do Hotel. Mais uma vez tenho que confessar que adoro a Elizabette, é uma fantasminha tão amorosa e está cada vez mais interessante a sua história amorosa.
Quando já estava perto dos setenta por cento da leitura sou completamente apanhada de surpresa, a mãe de Avery, que a abandonou quando ela era pequena, aparece, será que é em busca de um perdão?

Gostei muito mais deste segundo livro da trilogia, estou agora desejosa por saber o que nos reserva o último livro (apesar de já saber qual vai ser o casal e acho que promete;)).

Recomendo a leitura, foi uma excelente companhia, adorei mesmo muito.

Classificação de 5***** no Goodreads.

Boas leituras!

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Opinião | "Flores" de Afonso Cruz

Sinopse:
Um homem sofre desmesuradamente com as notícias que lê nos jornais, com todas as tragédias humanas a que assiste. Um dia depara-se com o facto de não se lembrar do seu primeiro beijo, dos jogos de bola nas ruas da aldeia ou de ver uma mulher nua. Outro homem, seu vizinho, passa bem com as desgraças do mundo, mas perde a cabeça quando vê um chapéu pousado no lugar errado. Contudo, talvez por se lembrar bem da magia do primeiro beijo - e constatar o quanto a sua vida se afastou dela - decide ajudar o vizinho a recuperar todas as memórias perdidas. Uma história inquietante sobre a memória e o que resta de nós quando a perdemos.
Um romance comovente sobre o amor e o que este precisa de ser para merecer esse nome.

«Viver não tem nada a ver com isso que as pessoas fazem todos os dias, viver é precisamente o oposto, é aquilo que não fazemos todos os dias.»

Opinião:
Neste livro temos o senhor Ulme, e o seu que vive perdido no seu interior e o protagonista que faz de tudo para tentar resgatar o passado do senhor Ulme. Simultaneamente temos os problemas que o protagonista vai passando e as reflexões que este faz sobre o seu casamento, que por sua vez se encontra a desmoronar.
Esta foi uma leitura sobre a amizade entre duas pessoas, que vão-se ajudando mutuamente sem darem por isso.
Esta leitura não tem nada a ver com os livros anteriores, neste livro de Afonso Cruz não é o final que interessa, mas sim o caminho que estas personagens vão fazendo até ao fim. 
"Flores" é um livro que me fez refletir essencialmente, sobre o valor da amizade e amor pelos que nos rodeiam.

Recomendo a sua leitura!
Classificação de 4**** no Goodreads.

Boas leituras!

domingo, 21 de julho de 2019

Opinião | "Estou na tua Casa" de Lucy Clarke

Sinopse:
Na janela está uma palavra. CASA. Olho com mais atenção. Não é uma palavra. É uma frase. Estou na Tua Casa.

Estou dentro da tua casa…. 
Elle vive sozinha numa casa isolada e magnífica em frente ao mar. Um dia, decide alugá-la por um curtíssimo período de tempo. Durante as duas semanas em que está fora, corre tudo bem. E quando regressa, continua tudo bem. Não há nada a apontar… exceto a arrepiante sensação de que não está sozinha.

Dentro da tua cabeça....
Será apenas a sua imaginação a pregar-lhe partidas? Afinal de contas, Elle é escritora e tem uma imaginação fértil. Mas então como se explica o estilhaço de vidro que encontra na alcatifa? As dedadas na janela? A mensagem gravada na sua secretária?

E conheço o teu segredo...
Aterrorizada, Elle sente-se uma prisioneira na sua própria casa. Terá alguém desenterrado o segredo que ela sempre guardou tão bem? Como fazer para expulsar um intruso invisível? Alguém que ela própria deixou entrar? 


Realista, tenso e absolutamente aterrador, Estou na Tua Casa vai fazê-lo pensar duas vezes antes de abrir as portas da sua casa a estranhos.

Opinião:
   Quem diria que eu algum dia gostaria de ler o género thriller?     Quando iniciei a leitura deste género literário estava completamente fora da minha zona de conforto, agora confesso que estou apaixonada e quero ler mais, muito mais.

   Este livro agarrou-me logo desde o início, recordo que comecei a ler aproximadamente pelas 23 horas de sexta-feira dia 19 de julho e só me consegui deitar perto das 5 da madrugada, não peguei no livro no sábado (devido a assuntos familiares) e peguei hoje de manhã, terminei agora mesmo, por volta das 20horas do dia 21. Não consegui parar das duas vezes que peguei no livro, é a meu ver uma leitura que agarra.  A história está narrada em três perspetivas, na de Elle, na atualidade,  que é a protagonista da história, depois temos a de Elle nos anos 2003/2004 e por fim temos uma outra narração que tem como titulo Anteriormente. 
Ao longo da leitura, comecei a notar que o autor escreve de maneira a que quem vai lendo, encontra-se a desconfiar ora de uma pessoa ora de outra pessoa, contudo, muito honestamente acho que é quase impossível desvendar o responsável e o contexto final.

Elle é uma jovem escritora que acabou de lançar o seu primeiro livro e encontrando-se a escrever o segundo livro, contudo, tem de se deslocar até França durante 15 dias e decide alugar a sua casa durante esse período de tempo. Quem trata de tudo é a sua irmã Fiona, que é casada com o Bill e tem um filho de 2 anos o Drake, afilhado de Elle. 
Quando Elle regressa sente que a casa foi invadida, que está sempre a ser observada, coisas estranhas acontecem e também aparecem em diferentes zonas da casa "coisas" que lá não estavam quando Elle foi para França.
Honestamente arrepiou-me a sensação de Elle sentir-se observada, ouvir  ruídos estranhos e houve uma altura que até o som das ondas do mar, que a Elle ouve, à noite me "assustava" (moro pertinho do mar).
A primeira suspeita, para mim, foi a Elle, isto porque, este é um thriller em que existe muito consumo de álcool, por parte da Elle e muita falta de descanso, devido a constantes insónias. Como já referi eu desconfiei de algumas personagens numa ou noutra parte do livro.
A escritora está de parabéns, não considero  fácil conseguir fazer o leitor mudar de suspeito com facilidade, devido às encruzilhadas de escrita da autora.
Adorei… Adorei… Adorei… 
Aconselho a sua leitura.
Classificação de 5***** no Goodreads.

Boas leituras!

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Opinião | "História de uma Gaivota e do Gato que a ensinou a voar" de Luís Sepúlveda

Sinopse:
"Esta é a história do gato Zorbas. Um dia, uma formosa gaivota apanhada por uma maré negra de petróleo deixa ao cuidado dele, momentos antes de morrer, o ovo que acabara de pôr. Zorbas, que é um gato de palavra, cumprirá as duas promessas que faz nesse momento dramático: não só criará a pequena gaivota, como também a ensinará a voar. Tudo isto com a ajuda dos seus amigos Secretário, Sabetudo, Barlavento e Colonello, dado que, como se verá, a tarefa não é fácil, sobretudo para um bando de gatos mais habituados a fazer frente à vida dura de um porto como o de Hamburgo do que a fazer de pais de uma cria de gaivota...
O grande escritor chileno oferece-nos neste seu novo livro uma mensagem de esperança de altíssimo valor literário e poético."

Opinião:

  Esta foi uma releitura que à muito tempo queria realizar. Aproveitei e realizei a categoria do Bookbingo _ ler um livro num dia.
  Gostei muito desta parábola e a minha opinião continua a ser muito idêntica à que dei na primeira vez que li o livro. Se estiver interessado clique aqui.

Classificação de 5***** no Goodreads.
Excelentes leituras!

Opinião | "O Hotel Das Recordações" de Nora Roberts

Sinopse:

"O histórico hotel de Boonsboro já viveu tempos de guerra e paz e teve inúmeros donos ao longo do tempo. Agora prepara-se para ser reinaugurado pelos irmãos Montgomery. Beckett, o arquiteto da família, está determinado a finalizar as grandes obras, mas a sua vida atarefada não o desvia de um outro grande objetivo: atrair a atenção da mulher por quem está apaixonado desde a adolescência. 
Depois de perder o marido e regressar à sua terra natal, Clare Brewster cedo se adapta à sua nova vida como mãe de três filhos e gerente da livraria da cidade. Com pouco tempo para uma vida romântica, Clare acaba por ser envolvida nos preparativos do novo hotel e deseja conhecer melhor o homem por trás dele. 
Enquanto não chega o dia da inauguração, Beckett e Clare conhecem-se melhor e sentem a crescer entre eles o início de algo novo… Irá abrir-se nas suas vidas a janela para um futuro juntos?"

Este é o livro um da Trilogia "Hotel Das Recordações".

Opinião:
  Sempre que acabo uma leitura de Nora Roberts questiono porque não leio mais livros dela. Gostei tanto deste livro que estou desejosa por ler os restantes da trilogia. Nora Roberts tem uma escrita que me faz sentir leveza, talvez por andar a ler ultimamente muitos livros do género suspense, thriller, tenha gostado tanto deste romance e das personagens todas.
  Adorei a descrição do hotel, aquela ideia de cada quarto ter um nome de um casal romântico de um livro, e a decoração ser única para cada quarto, pois cada casal é único, só isto já me deixou rendida e apaixonada pelos irmãos e mãe Montgomery. O personagem masculino que vai ser romanceado neste primeiro livro é Beckett, que tal como refere na sinopse vai finalmente declarar-se a Clare, a sua paixão de adolescência. Clare fascinou-me pelo carinho que dá aos seus três filhos. Adorei as passagens em que ela está com os filhos e a forma que era arranja para passar o serão com eles, gostei da noite de sexta-feira que é do filme e em cada semana um escolhe o filme que vão assistir, juntamente com um "balde" de pipocas. 

Gostei muito do livro, por isso atribui 4**** no Goodreads.

P.S. Terceira leitura para o Desafio Bookbingo Verão ao Sol_2019, categoria: Ler um livro em tons de azul


Excelentes leituras!

Opinião | "A Bela Adormecida Assassina" de Mary Higgins Clark e Alafair Burke

  
Sinopse:
  "Há quinze anos, Casey foi acusada de assassinar o noivo, um famoso filantropo, mas sempre afirmou a sua inocência. Cumpriu a pena, mas continua «sob suspeita». Falam nas suas costas, não consegue arranjar emprego e até a própria mãe a trata como se fosse culpada. Agora, com o programa de Laurie, tem a última oportunidade de limpar o seu nome.
  Alex Buckley faz uma (interrompendo o potencial romance com Laurie) e é substituído por Ryan Nichols, um brilhante advogado de Harvard, que se opõe à apresentação do caso, porque tem a certeza de que Casey é culpada.
  Laurie tem de enfrentar todos os obstáculos para provar de uma vez por todas a inocência de Casey.
  Isto, claro, se ela estiver inocente…"retirado da contracapa do livro

Opinião:
  Este foi o segundo livro que li para o Desafio Bookbingo Desafios ao Sol, para a categoria, ler um livro tenha no titulo as letras S-O-L.
  O livro começa com a saída de Casey da prisão, após ter cumprido uma pena de 15 anos por homicídio do seu noivo. Casey sempre disse que era inocente e quando sai da prisão o objectivo dela é provar a sua inocência, para isso tem a ajuda da sua prima e grande amiga Ângela e da sua mãe. A Casey louca, tal como era conhecida pelos média, vai contactar Laurie, apresentadora do programa "Sob suspeita", que consiste em levar lá pessoas que foram mal julgadas e provar, sempre que possível a sua inocência. A partir daqui, temos que ter os potências suspeitos de terem praticado o homicídio e durante o programa, ou antes, ou depois do mesmo, encontra-se o assassino. Será a Casey? Não vou adiantar mais, mas confesso que o final me surpreendeu.

Classificação _3*** no Goodreads.

Excelentes leituras!

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Opinião | "Raparigas como nós" de Helena Magalhães


Sinopse:
Uma história de amor irresistível, que é também o retrato de uma geração que cresceu sem redes sociais. Pode uma paixão da adolescência marcar o resto da vida?

Festivais de Verão, tardes na praia, experiências-limite com drogas, traições e festas misturam-se com amores improváveis e velhas amizades. Um romance intemporal nos cenários de Lisboa, Cascais e Madrid, que mostra tudo o que pode esconder-se atrás da vida aparentemente normal de uma rapariga… como tu.

«Beijamo-nos ao som daquela música que ouvia em casa sozinha deitada na minha cama. Durante o resto da vida, não importaria o que estivesse a fazer ou onde, quando ouvisse os primeiros acordes […], recordar-me-ia do olhar do Afonso fixado em mim, da sua mão no meu rosto, do meu coração a tremer e de me sentir a rapariga mais feliz do mundo. Porque Lisboa está cheia de bares a abarrotar de miúdas bonitas que, num piscar de olhos, se colocariam de gatas a ronronar nas suas pernas. Mas ele viu-me a mim.»
«Se algum dia se sentirem sozinhas, estranhas, deslocadas do mundo que vos rodeia, lembrem-se da Isabel, da Alice, da Luísa, da Marina e até da Marisa das argolas… Raparigas como nós.» 

Opinião:
  Este é um livro diferente dos que tenho lido este ano. Foi o primeiro livro que li para o Desafio Bookbingo Leituras Ao Sol, na categoria _ Um Livro que se passe no verão_.
  Gostei deste livro, fez-me recordar a minha adolescência e isso  foi muito bom. A escrita  da Helena  é cinematográfica , na medida em que fez com que eu conseguisse visualizar tudo o que estava a ser retratado e de certa forma fizesse um regresso ao passado.
  As personagens são muito interessantes, temos a personagem central que é a Isabel, que no presente está a repetir, juntamente com a amiga Alice, algumas disciplinas do 12.º ano para melhorar as notas. Aqui temos um tema que a mim me disse muito, devido ao meu trabalho, que é o facto dos adolescentes muitas vezes no final do secundário não saberem o que seguir, se querem tirar um curso ou se querem trabalhar, etc...
  Temos numa primeira fase do livro em 2004 em a Isabel conhece o adorável Afonso, confesso que gostei muito deste rapaz. Depois passamos para 1999 onde a Isabel vai recordar a sua grande paixão, a primeira paixão da sua vida que a fez fazer muitas coisas patetas. Esta fase foi aquela em que eu mais me ri, mesmo. No entanto, também me trouxe à memória situações limite, que todos os adolescentes passam ou vêm os seus amigos, conhecidos a passar. Entretanto nesta adolescência da Isabel ela está apaixonada pelo Simão que no capítulo seguinte ela volta a encontrar, claro que aqui estão os dois mais crescidos e a Isabel fala com um Simão que ela na sua adolescência achava que conhecia mas não conhecia nada. 
  Não vou contar mais nada, gostei da leitura, mas acho que menos 100 páginas no livro não faria mal.

Classificação de 4**** no Goodreads.

Boas leituras!