sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz Ano de 2017

Desejo a todos os meus seguidores, todos os meus amigos que fiz aqui através do blog e do Goodreads um ano de 2017 muito Feliz.
Que seja um ano com muita saúde, alegria, amor, amizade e acima de tudo com muita paz nos nossos corações. Que não vos falte nada  que leiam muitos e bons livros.
Queria deixar aqui um apontamento pequenino...Leiam o que vos dá prazer ler, vivam o que querem viver e nunca deixem que ninguém vos magoe, nem que seja com um olhar. Cada um de nós é um ser único que merece ser respeitado, amado e acima de tudo nunca deve permitir que o humilhem.
Eu sei que estou sempre a Citar António Feio mas nunca é demais recordar quem nos deixou um legado enorme e um excelente conselho de vida:

"Se há coisa que eu costumo dizer é: Aproveitem a Vida e Ajudem-se uns aos outros, apreciem cada momento, agradeçam e não deixem nada por dizer, nada por fazer..."
in António Feio

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Divulgação do livro do escritor Petrónio Augusto


A Cunhada e o Gémeo do engravatado rei do Arquipélago das Berlengas
Petrónio Augusto
ISBN ebook em PDF: 978-989-20-7118-3
Disponível em ebook:3,49 euros
N.º de páginas: 327 páginas
Sinopse:
"O que tem de especial o coração? Toda a gente tem um…
Reino das Berlengas, a monarquia mais ocidental da Europa, todos já ouviram falar, poucos têm a sorte de o conhecer. Svetlana Kainova, depois de testemunhar um atropelamento, perde o namorado e o emprego, vendo-se forçada a dar um novo rumo à sua carreira de bailarina. James Wigglesworth vive afastado da sua Casa Real, amargurado por não ser rei e dedica-se a estranhos rituais de final de acasalamento.
Ele dá-lhe flores com um presente adicional, ela dá-lhe, a flutuar nas ondas do Atlântico, garrafas de vodka vazias, rejuvenescidas com cartas de amor… tudo pode acontecer, até que um único evento, seguido de uma SMS e de um telefonema, mudam para sempre as suas vidas…
Coimbra, Peniche, Berlengas, Lisboa, Entroncamento, Varsóvia, Pequim, Cairo, Berlim, Reykjavik, um enredo abundante em inesperadas bandas sonoras, detalhes de física, suaves notas de história e de anatomia, fotografias e uma pequena música.
Desencontros, perseguições, desejos de vingança, ciúme, suaves intromissões em peças de Shakespeare e de Gil Vicente, jogos de xadrez ao som dos Beatles, eventuais concertos da Berliner Philharmoniker, casamentos com valsas de Strauss e contemplações de pinturas de Picasso…
Nem todos os caminhos para a felicidade são fáceis e serenos. Esta não parece, mas acabará por tornar-se numa irresistível história de amor.
“A Cunhada e o Gémeo... do engravatado rei do Arquipélago das Berlengas” é o segundo romance da trilogia não oficial da Casa Real da Berlenga. Uma obra manuscrita ao volante, num automóvel sem cruise control, em repetidas viagens pelas autoestradas A1, A8 e A15."

Leia um livro e receba muito mais que sorrisos: a autor doa 25% das suas receitas de venda a instituições de solidariedade social.

O escritor - Petrónio Augusto -:
"Petrónio Augusto adora conduzir e adora escrever. E, como tinha falta de tempo, decidiu fundir as duas actividades, desenvolvendo o curioso hábito de escrever livros ao volante de automóveis sem cruise control, criando assim a primeira trilogia manuscrita ao volante, sobre a Casa Real das Berlengas, a monarquia mais ocidental da Europa.
Em particular, “A Cunhada e o Gémeo do engravatado rei do Arquipélago das Berlengas” foi escrito em repetidas viagens nas lusitanas autoestradas A1, A8 e A15 (o autor adverte que a A1 e A15 são mais recomendáveis para este tipo de escrita, a A8 nem tanto).
O autor reconhece como sua principal dislexia a incapacidade para escrever por extenso os números do género masculino, mas, existe publicada na sua obra, uma boa razão para isso. Gosta também de investir tardes em aeroportos e bares, a escrever as surpreendentes histórias dos Homens. Deixa aí parte delas, tatuadas em pedaços de papel com o seu endereço de e-mail em rodapé, para que 1 leitor mais interessado continue a escrita e depois lhe envie a sua opinião.
Petrónio Augusto, nasceu em 1978, em Marvão, Portugal, é casado, tem dois filhos e, quando não está a ler, gosta de inventar o destino das personagens que lhe surgem na mente."

Este ebook foi enviado pelo escritor, para que eu pudesse ler e dar a minha sincera e honesta opinião.
Muito obrigada Petrónio, logo que possível lerei o ebook e darei a minha sincera e honesta opinião tal como prometido.

Boas leituras.





terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Opinião I "As Viagens de Gulliver com escala em Portugal" da escritora Luísa Ducla Soares


As Viagens de Gulliver com escala em Portugal
Luísa Dulca Soares
Ilustrações de Ângela Vieira
ISBN: 978-972-0-72844-9
Editora: Porto Editora
N.º de páginas:80 páginas

Leitura realizada no âmbito da Maratona de Natal e Vamos Baixar a Pilha 2016

Sinopse:
"Baseada num clássico da literatura universal - As Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift - esta peça é um desafio à imaginação e ao espírito crítico, levando os seus jovens leitores a encararem diversas perspetivas do mundo.
Passando pelo reino dos anões, dos gigantes e dos cavalos, Gulliver visita finalmente a Lisboa do século XVIII, onde, a par da galanteria e da riqueza, impera a Inquisição."

"A coleção Educação Literária reúne obras de referência da literatura portuguesa e universal indicadas pelas Metas Curriculares de Português e pelo Plano Nacional de Leitura."

A escritora - Luísa Ducla Soares -:

"Considerada uma das mais relevantes escritoras portuguesas na área da Literatura Infantil, Maria Luísa Bliebernicht Ducla Soares de Sottomayor Cardia esteve ligada ao grupo da revista Poesia 61 – que pretendia fundar em Portugal uma escola poética de cariz experimentalista, alternativa ao neo-realismo e ao surrealismo então em voga – e estreou-se em 1970 com o volume de poesia Contrato, embora poemas seus já surgissem em várias revistas e jornais desde 1951.

Em 1973 recusou, por razões políticas, o Grande Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho, do Secretariado Nacional de Informação (SNI), atribuído ao seu primeiro livro para crianças,
A História da Papoila (1972).

Dedicou-se, desde então, à literatura para a infância e juventude, não só enquanto escritora mas também como estudiosa, participando regularmente em congressos e em projectos de divulgação e animação cultural em escolas e bibliotecas. Luísa Ducla Soares considera que o contacto directo com o público infantil é da maior importância para a promoção da leitura: «A escrita para crianças tem de ser, antes de mais, comunicação, e a recepção deles é essencial para que eu perceba se uma mensagem passa ou não.»

No decurso da sua actividade profissional – é assessora e responsável pela Área de Pesquisa e Informação Bibliográfica da Biblioteca Nacional – desenvolveu trabalhos de investigação bibliográfica com vista à organização de diversas exposições e catálogos sobre Literatura Infantil.

Saliente-se ainda a participação da autora, por convite de João de Lemos, no suplemento infantil do
Diário Popular (1972-1976) – em «O Doutor Sabichão» e depois no «Sábado Popular» – periódico onde surgiram diversos contos seus, tendo vários outros sido completamente cortados pela Censura. Foi este o caso de «O soldado João», no qual a autora abordava o problema da guerra colonial; o conto seria editado mais tarde, em volume autónomo.

Luísa Ducla Soares participou na revista didáctica
Rua Sésamo (1990-1995) e os seus textos de ficção, poesia, artigos e crónicas surgem regularmente na imprensa portuguesa.

Segundo a autora, os livros de Júlio Verne e de Eça de Queirós estiveram na origem do seu gosto pela leitura e pela escrita. Durante as Comemorações do Centenário da morte do autor português (2000), homenageou-o através da publicação de três livros dedicados aos jovens:
Com Eça de Queirós à roda do Chiado (1999), Com Eça de Queirós nos Olivais no ano 2000 (2000) e Seis Contos de Eça de Queirós (2000). «Convidei os meus leitores a passear pelos locais de Lisboa que o Eça refere. Fiz, assim, um roteiro da Lisboa queirosiana à volta do Chiado. [...] O meu objectivo foi abrir o apetite para ler o Eça a um público onde geralmente não chega – as crianças, que, no entanto, são muito sensíveis ao seu humor.»

O mesmo humor que, aliado à fantasia e ao
non-sense, constitui uma das marcas distintivas da obra da autora: a irreverência da narrativa, chamando a atenção do leitor para situações absurdas e comportamentos determinados pelo preconceito, desmontados através de jogos de palavras, contribui para a tomada de consciência, por parte dos jovens, de uma multiplicidade de possíveis interpretações do mundo em que vivem.

A par das actividades referidas, Luísa Ducla Soares escreveu o guião dos vinte e seis capítulos que constituem «Alhos e Bugalhos», série televisiva sobre a língua portuguesa, transmitida pela RTP durante as Comemorações do Ano Europeu das Línguas (2001). No campo musical editou, em 1999, um CD intitulado 25, com letras de sua autoria e música de Susana Ralha. A UNICEF e a OIKOS organizaram em 1990 uma maleta pedagógica baseada no conto «Meninos de todas as cores», como apoio ao projecto escolar e exposição «Um Mundo de Crianças».

Actualmente, Luísa Ducla Soares concebe e realiza a «Página dos Mais Novos» do site da Presidência da República Portuguesa na Internet.

Autora muito apreciada pelo público e pela crítica, Luísa Ducla Soares viu em 1986 o seu livro
6 histórias de encantar receber o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças pelo Melhor Texto do Biénio 1984-1985. Dez anos mais tarde foi-lhe atribuído o Prémio Calouste Gulbenkian pelo conjunto da sua multifacetada obra.

Em 2004 foi nomeada para o Prémio Hans Christian Andersen da IBBY (International Board on Books for Young People), geralmente considerado o Prémio Nobel da Literatura para a Infância."

Centro de Documentação de Autores Portugueses
2004


Minha opinião:
Este é, tal como está referido na sinopse, uma história que foi escrita com a finalidade de servir para guião numa peça de teatro.
A forma como está estruturado foi muito agradável para mim como leitora, pois existe uma descrição dos cenários, que vão mudando ao longo da história e informações bastante interessantes são fornecidas.
Mais um livro desta coleção que li com um enorme prazer, quase que consegui imaginar a assistir à peça de teatro.
Classificação de 4**** no Goodreads.

Boas leituras.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Opinião I "O meu primeiro Natal" da escritora Margarida Fonseca Santos

O Meu Primeiro Natal
Margarida Fonseca Santos
Ilustração: Carla Nazareth
Editora: Editorial Presença
Edição ou reimpressão:2005
ISBN: 978 972 233 478 5
N.º de páginas:30 páginas

Esta é a minha oitava leitura da Maratona vamos Baixar a Pilha 2016

Sinopse:
"Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para apoio a projetos relacionados com o Natal nos 3º, 4º, 5º e 6º anos de escolaridade.
O Frik, o pequeno cocker preto que ficaste a conhecer na sua primeira história - Chamo-me Frik e já Tenho Dono - tem andado muito admirado com um objeto estranho que apareceu lá em casa. Parece uma árvore, mas não é. Em vez de folhas tem umas agulhas muito afiadas que…au, au, au… lhe picam o focinho sempre que ele tenta aproximar-se. Mas por que será que toda a gente anda tão interessada naquela coisa cheia de agulhas? Foi só quando o Pedro pegou nele ao colo e lhe explicou o que se passava que pôde finalmente compreender tudo. Aquilo era um pinheiro, e estava assim todo bonito porque era Natal, uma época muito especial, segundo disse o Pedro, e o Frik acreditou porque todos estavam muito felizes e havia presentes para toda a gente. Até ele recebeu uma prenda maravilhosa. Mas não te vou contar o que foi porque é muito mais engraçado leres esta nova história do Frik e seres tu a descobrir como foi o primeiro Natal deste cachorrinho amoroso."
A linguagem simples mas apelativa e original conjugada com magníficas ilustrações, vão decerto atrair a atenção das crianças. Uma edição que prima pela qualidade e acabamento gráficos, sendo cartonada e contando o miolo com papel especial."
retirado do site wook 

Minha opinião:
Quem me segue aqui no blogue sabe que eu gosto muito deste tipo de livros infantis. Esta escritora é mestre na escrita de livros infantis, gosto muito dos seus livros e adoro as ilustrações, são mesmo muito motivadoras para as crianças lerem.
Este livro conta a história de Frik, um cãozinho muito fofinho e do seu primeiro natal. A forma como Frik fica encantado e assustado com a árvore de natal está tão bem contada;). Adorei esta leitura.
Classificação: 4**** no Goodreads.
Boas leituras.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Opinião I "Rapto na Noite de Natal" da escritora Mary Higgins Clark e Carol Higgins Clark

Rapto na Noite de Natal
Mary Higgins Clark e Carol Higgins Clark
ISBN: 978 972 251 387 6
Editora: Bertrand Editora
Edição: Setembro de 2004
N.º de páginas: 174 páginas

Esta foi a minha quinta leitura para a Maratona Baixar a Pilha 2016 no Goodreads.

Minha opinião:
Para quem segue as minhas resenhas aqui no blog deve estar a pensar..."ela esqueceu-se de colocar a sinopse"..., eu não esqueci de colocar a sinopse, não, não...por incrível que pareça este livro não tem sinopse. Eu detesto começar a ler um livro sem ler a sinopse, gosto sempre de ter uma ideia do que se vai passar, basicamente para que mundo vou viajar.
Bom através do título, não é muito difícil descobrir o que vai acontecer, obviamente é um rapto que não sendo na noite de natal é nos dois dias antes.
Eu gostei da leitura, mas estava a contar com muito mais, mesmo. A história está muito bem estruturada, tem enredo, mas faltou o suspense. Desde o inicio sabemos logo quem são os raptores, não fui eu que descobri, a narradora diz quem são, logo ai perde logo um pouco daquele suspense que esta escritora é tão afamada por conseguir nos seus livros.
Contudo, devo referir que gostei muito dos personagens, estão muito bem conseguidos, como já referi o desenvolvimento da história está bom, mas faltou aquele suspense que eu estava tanto à espera.
Classificação no Goodreads 3***
Boas leituras.