quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Minha opinião sobre "A Fada Oriana" de Sophia de Mello Breyner Andresen

A Fada Oriana
de Sophia de Mello Breyner Andresen
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 96
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-72622-3
Idioma: Português

Sinopse:
Plano Nacional de Leitura.
Livro recomendado no Programa de Português do 5.° ano de escolaridade, destinado a leitura orientada na sala de aula - Grau de dificuldade III; integra também a lista de obras das Metas Curriculares de Português para o 5.° ano.

Dizia Sophia que as fadas são seres da natureza. Queria com isto lembrar que elas nascem da nossa capacidade de atribuir vida, vontade e intenções ao mundo da natureza.
Em A Fada Oriana, encontramos o dom da protecção sobre os seres mais frágeis que vivem numa floresta, encontramos as tão humanas oscilações entre a solidariedade, o sentido da responsabilidade e o egoísmo e a vaidade. Encontramos, como é próprio de muitos contos tradicionais e para a infância, as peripécias de uma luta entre o bem e o mal. 

Minha opinião:

"Era uma vez uma fada chamada Oriana. Era bonita e boa. Ela guardava uma floresta que lhe tinha sido entregue pela rainha das fadas. Ela cuidava dos animais, das plantas, dos homens. Mas ela tinha um carinho especial pela velha que vivia sozinha. Ajudava-a a limpar a casa, a fazer o café, a pôr o açúcar e também a ajudava a transportar os paus que ela ia vender á cidade. Ora, um dia Oriana abeirou-se do rio. Apareceu então um peixe que se mostrava muito aflito, fora de água e lhe pediu ajuda. Oriana quando viu a sua imagem reflectida na água reparou na sua beleza. O peixe dia após dia, cultivou na Oriana a vaidade e ela, a pouco e pouco, foi abandonando a floresta. De vez em quando ia visitar a velha mas chegou um dia que também a esqueceu por completo. Quando apareceu a rainha das fadas e viu o abandono da floresta, ficou muito zangada e teve que castigar Oriana. Tirou-lhe as asas e a varinha de condão. Oriana ficou muito triste, chorou mas a rainha não a desculpou. Só lhe disse que lhe daria as asas e a varinha quando ela fizesse algo para as merecer. Passados dias avistou ao longe a velha muito cansada e quase cega que se aproximava de um abismo. Oriana ficou muito aflita. Quando chegou à sua beira a velha estava a cair do abismo. Oriana mesmo sem asas, saltou do abismo e agarrou a velha pelos pés. Nessa altura apareceu a rainha das fadas e devolveu a Oriana as asas e a varinha de condão Então Oriana levantou a sua varinha de condão e tudo ficou encantado. (retirado daqui)"

Um livro que faz parte do Plano nacional de leitura e que é para ser lido dos 8 aos 80.

Gostei muito desta leitura, foi feita muito rapidamente mas não me escapou nada. Já tinha lido no ano de 2012 duas das obras infantis desta escritora, este é o terceiro livro e não me desiludi nada.
Classificação: Excelente 6 de 7.

Boas leituras;)

2 comentários:

  1. Olá Leitora,

    Este livro é lindíssimo!! Li-o à mais de dez anos mas recordo-me muito bem das personagens! Aliás todos os livros infantis da Sophia de Mello Brayner são fantásticos! Se ainda não leste "A árvore", "A menina e o mar", "O Rapaz de Bronze", "O cavaleiro da Dinamarca" deves apostar!

    Beijinhos e Boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá amiga Silvana,
      Eu nunca tinha lido, e achei uma maravilha...adorei mesmo muito;)
      BEIJINHO E BOAS LEITURAS;)

      Eliminar