sábado, 11 de julho de 2015

Minha opinião do livro_conto «O Príncipe» de Kiera Cass

O Príncipe
Kiera Cass
Tradução: Cristian Clemente 
  • Categoria: Romance
  • Publicado: 29/03/2013
  • Editora: Editora Seguinte
  • Vendedor: Companhia Das Letras
  • Páginas impressas: 72 páginas
  • Idioma: Português 
  • Série: Livro 0.5, A seleção

Comecei a ler:11-07-2015
Terminei de ler: 11-07-2015



Sinopse:
«Antes que trinta e cinco garotas fossem escolhidas para participar da Seleção...
Antes que Aspen partisse o coração de America...
Havia outra garota na vida do príncipe Maxon.
 
Conto inédito e gratuito, O Príncipe não só proporciona um vislumbre dos pensamentos de Maxon nas semanas que antecedem a Seleção, como também revela mais um pouco sobre a família real e as dinâmicas internas do palácio. Você descobrirá como era a vida do príncipe antes da competição, suas expectativas e inseguranças, assim como suas primeiras impressões quando as trinta e cinco garotas chegam ao palácio.

É uma leitura indispensável a todos que terminaram A Seleção e ficaram querendo mais! Ao final, contém os dois primeiros capítulos de A Elite, segundo volume da trilogia.»



Minha Opinião:
No livro "O Príncipe" conheci a vida de Maxon antes de a Seleção começar, e mudar tudo o que ele conhecia de forma definitiva, como sendo a sua própria vida. Fiquei a par de seu relacionamento com o rei e a rainha, e também a sua curta experiência com mulheres, tomando conhecimento da existência de Daphne.

Maxon, ao contrário do que na narrativa feita por America no livro «A Seleção» nos faz crer, encontra-se possuído por um grande nervosismo e ansiedade que o atormentam antes da Seleção. 

Ele não imagina como as raparigas vão ser selecionadas, mas tem a plena noção de que uma delas vai ser a sua futura esposa. Apesar da história iniciar-se um pouco antes, da seleção das trinta e cinco candidatas a futuras princesas, alguns dos acontecimentos são simultâneos ao primeiro volume da trilogia «A Seleção».

Se as Selecionadas tinham medos e anseios para participar da Seleção, podemos dizer o mesmo sobre o príncipe Maxon após a leitura do conto "O Príncipe", que mostra-nos o início do processo de Seleção que acontece no primeiro livro da trilogia, mas pelo ponto de vista dele.
Podemos acompanhar um pouco sobre a questão da Seleção e a visão que o rei Clarkson tem dela, e claro, acompanhar a convivência de Maxon com seus pais e entender mais os seus medos e inseguranças sobre a ideia de se casar. Como ele se sente quando tem que dispensar ou lidar com algumas das participantes e principalmente o que sente quando passa a conhecer America melhor.

A narrativa é ótima, super fluída e mesmo que bem curta cumpriu o papel passando as impressões de Maxon com perfeição para os leitores da série, principalmente para as que fazem parte do grupo que adora Maxon podendo assim conhecer um pouco do íntimo desse príncipe tão encantador.


Ao longo da leitura do livro "O Príncipe", a verdade é o que o Maxon da minha cabeça era alguém completamente diferente. Não consegui relacionar, em alguns momentos, os pensamentos de Maxon com os que eu imaginava que ele teria.
As suas reações aos diferentes acontecimentos em certas ocasiões surpreendeu-me, pois, pelo livro narrado por America, eu criei uma personalidade bem distinta da escrita por Cass neste livro conto e que não estava de todo à espera. 
Claro,que isto não quer dizer que tal facto seja algo necessariamente mau, ainda sim, não pude deixar de notar e ficar indecisa sobre ter gostado ou não disso, dessa diferença entre o Maxon que a America nos narra e o verdadeiro Maxon. Vir a conhecer o outro lado do Maxon surpreendeu-me bastante, mas tenho a certeza que é uma mais-valia para continuar a ler «A Elite» agora com outros olhos.

Excertos:
«Para as garotas, o processo começara com o preenchimento dos formulários - milhares a esta altura. Para mim, começou hoje.
Completei dezanove anos. Agora, eu podia participar.
Parei diante do espelho e conferi a gravata mais uma vez.
Naquela noite haveria mais olhos sobre mim do que o normal; eu precisava parecer o príncipe auto-confiante que todos esperavam. A gravata estava impecável, e eu segui para o escritório do meu pai.» pág.5

«O Grande Salão reverberava de entusiasmo. As pessoas diziam que toda a Illéa esperava por aquele momento: a emoção de uma nova princesa, a empolgação de ver que em breve eu seria rei. Pela primeira vez sentia toda aquela energia e receava que ela fosse me esmagar.
...
Por fim tive um momento sozinho. Inspecionava a multidão, certo de que havia algum lugar onde eu deveria estar. Meu olhar parou em Daphne, que veio em minha direção. Estava ansioso para ter pelo menos alguns minutos de conversa sincera, mas isso teria que esperar.» pág.11 e 12

«Ela sabia tão bem quanto eu que um pedido tão escandaloso estava muito além das minhas possibilidades. Percebi que ela buscava em sua mente um caminho alternativo, mas não havia saída. Ela servia à sua coroa; eu , à minha. E nossas dinastias nunca se cruzariam.» pág.21

«-Você é um idiota, Maxon Schreave. Seus pais sabotaram completamente a sua personalidade. Mesmo que você tivesse mil garotas diante dos seus olhos, não importaria. Você é burro demais para reconhecer o amor a dois palmos do nariz.
Ela secou os olhos e ajeitou o vestido.
-Rezo a Deus para nunca mais ver seu rosto novamente. 
O medo no meu coração se transformou e, quando ela começou a sair, agarrei-a pelo braço. Não queria que partisse para sempre.
-Daphne, sinto muito.
-Não sinta muito por mim - ela disse friamente. - Sinta muito por você. Você encontrará uma esposa porque é obrigado a isso, mas você já conheceu o amor e o deixou partir.
Ela soltou a mão num puxão e me deixou sozinho.
Parabéns para mim.» pág.23 e 24

«De repente, seu comentário infeliz sobre Daphne ser um desperdício fez sentido. Para ele, não importava se eu era próximo de Daphne por ela ser encantadora ou uma boa companheira; para ele, ela era a França. Não era sequer um ser humano. E como meu pai já tinha o que precisava da França, Daphne era inútil aos seus olhos.» pág.31

«Não pude evitar. Explodi em gargalhadas. Aquela garota era a antítese de tudo o que esperava. Até ser chutada? Estava ali pela comida? Por incrível que pareça, eu estava gostando daquilo tudo. Talvez as coisas fossem simples como minha mãe dissera; eu conheceria as candidatas aos poucos, como tinha sido com Daphne.» pág.50

«-Bom dia, senhorita Celeste.
-Bom dia, Alteza - ela disse, fazendo uma reverência.
Sua voz era doce, e logo me dei conta de que muitas daquelas garotas podiam me deixar fascinado. Talvez aquela preocupação de não amar nenhuma delas não fosse o verdadeiro problema. Talvez eu ficaria apaixonado por todas elas e seria incapaz de escolher.» pág.62

«Sorria comigo mesmo pensando em America. Comparava-a com as outras. Ela era linda, ainda que um pouco rústica. Era uma beleza incomum, e pude reparar que ela não tinha consciência disso. Ela não parecia ter nenhum ar de realeza, embora talvez houvesse algo de nobre em seu orgulho. E, claro, ela não nutri qualquer desejo por mim. Ainda assim , não conseguia me livrar do impulso de ir atrás dela.
E foi assim que a Seleção me prestou seu primeiro favor: com America no palácio, eu teria a chance de tentar.» pág.72


Maxon and America... 

Boa leitura!

2 comentários:

  1. Olá,
    Tenho de confessar que, ao fim de ler tantas opiniões, perdi o interesse nesta série. Acho que quando saiu o 2º livro estive para comprar o 1º mas depois desistir.
    Posso estar a perder uma grande série mas por agora não vou começar embora acho que ia gostar de ver a perspectiva do príncipe.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tânia,
      Eu estou a gostar muito desta série distópica, pois pelos vistos a escritora decidiu fazer mais que uma trilogia.
      Mas como gosta agrada-me. Compreendo perfeitamente o que sentes e acho que só deves ler quando sentires realmente vontade.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar