terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Opinião I "As Viagens de Gulliver com escala em Portugal" da escritora Luísa Ducla Soares


As Viagens de Gulliver com escala em Portugal
Luísa Dulca Soares
Ilustrações de Ângela Vieira
ISBN: 978-972-0-72844-9
Editora: Porto Editora
N.º de páginas:80 páginas

Leitura realizada no âmbito da Maratona de Natal e Vamos Baixar a Pilha 2016

Sinopse:
"Baseada num clássico da literatura universal - As Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift - esta peça é um desafio à imaginação e ao espírito crítico, levando os seus jovens leitores a encararem diversas perspetivas do mundo.
Passando pelo reino dos anões, dos gigantes e dos cavalos, Gulliver visita finalmente a Lisboa do século XVIII, onde, a par da galanteria e da riqueza, impera a Inquisição."

"A coleção Educação Literária reúne obras de referência da literatura portuguesa e universal indicadas pelas Metas Curriculares de Português e pelo Plano Nacional de Leitura."

A escritora - Luísa Ducla Soares -:

"Considerada uma das mais relevantes escritoras portuguesas na área da Literatura Infantil, Maria Luísa Bliebernicht Ducla Soares de Sottomayor Cardia esteve ligada ao grupo da revista Poesia 61 – que pretendia fundar em Portugal uma escola poética de cariz experimentalista, alternativa ao neo-realismo e ao surrealismo então em voga – e estreou-se em 1970 com o volume de poesia Contrato, embora poemas seus já surgissem em várias revistas e jornais desde 1951.

Em 1973 recusou, por razões políticas, o Grande Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho, do Secretariado Nacional de Informação (SNI), atribuído ao seu primeiro livro para crianças,
A História da Papoila (1972).

Dedicou-se, desde então, à literatura para a infância e juventude, não só enquanto escritora mas também como estudiosa, participando regularmente em congressos e em projectos de divulgação e animação cultural em escolas e bibliotecas. Luísa Ducla Soares considera que o contacto directo com o público infantil é da maior importância para a promoção da leitura: «A escrita para crianças tem de ser, antes de mais, comunicação, e a recepção deles é essencial para que eu perceba se uma mensagem passa ou não.»

No decurso da sua actividade profissional – é assessora e responsável pela Área de Pesquisa e Informação Bibliográfica da Biblioteca Nacional – desenvolveu trabalhos de investigação bibliográfica com vista à organização de diversas exposições e catálogos sobre Literatura Infantil.

Saliente-se ainda a participação da autora, por convite de João de Lemos, no suplemento infantil do
Diário Popular (1972-1976) – em «O Doutor Sabichão» e depois no «Sábado Popular» – periódico onde surgiram diversos contos seus, tendo vários outros sido completamente cortados pela Censura. Foi este o caso de «O soldado João», no qual a autora abordava o problema da guerra colonial; o conto seria editado mais tarde, em volume autónomo.

Luísa Ducla Soares participou na revista didáctica
Rua Sésamo (1990-1995) e os seus textos de ficção, poesia, artigos e crónicas surgem regularmente na imprensa portuguesa.

Segundo a autora, os livros de Júlio Verne e de Eça de Queirós estiveram na origem do seu gosto pela leitura e pela escrita. Durante as Comemorações do Centenário da morte do autor português (2000), homenageou-o através da publicação de três livros dedicados aos jovens:
Com Eça de Queirós à roda do Chiado (1999), Com Eça de Queirós nos Olivais no ano 2000 (2000) e Seis Contos de Eça de Queirós (2000). «Convidei os meus leitores a passear pelos locais de Lisboa que o Eça refere. Fiz, assim, um roteiro da Lisboa queirosiana à volta do Chiado. [...] O meu objectivo foi abrir o apetite para ler o Eça a um público onde geralmente não chega – as crianças, que, no entanto, são muito sensíveis ao seu humor.»

O mesmo humor que, aliado à fantasia e ao
non-sense, constitui uma das marcas distintivas da obra da autora: a irreverência da narrativa, chamando a atenção do leitor para situações absurdas e comportamentos determinados pelo preconceito, desmontados através de jogos de palavras, contribui para a tomada de consciência, por parte dos jovens, de uma multiplicidade de possíveis interpretações do mundo em que vivem.

A par das actividades referidas, Luísa Ducla Soares escreveu o guião dos vinte e seis capítulos que constituem «Alhos e Bugalhos», série televisiva sobre a língua portuguesa, transmitida pela RTP durante as Comemorações do Ano Europeu das Línguas (2001). No campo musical editou, em 1999, um CD intitulado 25, com letras de sua autoria e música de Susana Ralha. A UNICEF e a OIKOS organizaram em 1990 uma maleta pedagógica baseada no conto «Meninos de todas as cores», como apoio ao projecto escolar e exposição «Um Mundo de Crianças».

Actualmente, Luísa Ducla Soares concebe e realiza a «Página dos Mais Novos» do site da Presidência da República Portuguesa na Internet.

Autora muito apreciada pelo público e pela crítica, Luísa Ducla Soares viu em 1986 o seu livro
6 histórias de encantar receber o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças pelo Melhor Texto do Biénio 1984-1985. Dez anos mais tarde foi-lhe atribuído o Prémio Calouste Gulbenkian pelo conjunto da sua multifacetada obra.

Em 2004 foi nomeada para o Prémio Hans Christian Andersen da IBBY (International Board on Books for Young People), geralmente considerado o Prémio Nobel da Literatura para a Infância."

Centro de Documentação de Autores Portugueses
2004


Minha opinião:
Este é, tal como está referido na sinopse, uma história que foi escrita com a finalidade de servir para guião numa peça de teatro.
A forma como está estruturado foi muito agradável para mim como leitora, pois existe uma descrição dos cenários, que vão mudando ao longo da história e informações bastante interessantes são fornecidas.
Mais um livro desta coleção que li com um enorme prazer, quase que consegui imaginar a assistir à peça de teatro.
Classificação de 4**** no Goodreads.

Boas leituras.

Sem comentários:

Enviar um comentário