sábado, 11 de abril de 2015

Minha opinião sobre o livro "Vinte e quatro horas na vida de uma mulher" de Stefan Zweig

Vinte e Quatro Horas da Vida de Uma Mulher
de Stefan Zweig
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 100
Editor: Relógio D'Água
ISBN: 9789896413903
Coleção: Obras de Stefan Zweig
Preço:12,00 euros

Sinopse:

«Não acha então desprezível ou repugnante que uma mulher deixe o seu marido e as suas crianças para ir atrás de um homem qualquer, a respeito do qual ainda não me é de modo algum possível saber se é digno do seu amor? É realmente capaz de perdoar a uma mulher um comportamento tão negligente e leviano, que todavia não é miúda nenhuma e que, tendo em atenção as suas próprias crianças, já deveria ter sido ensinada a respeitar-se a si própria?» 
A rotina de um hotel na Riviera é abalada por uma notícia escandalosa. Uma mulher abandona o marido e as duas filhas, em nome de uma paixão por um jovem que havia acabado de conhecer. Este episódio despoleta uma acesa discussão entre os hóspedes do hotel e leva a Senhora C., uma aristocrata inglesa de sessenta e sete anos, a recordar um episódio secreto da sua vida que a tortura há mais de duas décadas. 
Vinte e quatro horas na vida de uma mulher é um relato apaixonante e intimista sobre a vida de uma mulher que se liberta das correntes do pudor e do preconceito social em nome de uma paixão avassaladora. O escritor austríaco Stefan Zweig leva-nos, com a sua habitual mestria, numa viagem ao mundo tortuoso dos sentimentos humanos e das suas incongruências.»retirado do site a esfera dos livros

Minha opinião:(contém spoilers)

"Vinte e quatro horas na vida de uma mulher" de Stefan Zweig é o primeiro clássico que leio este ano, devo dizer que já não me recordo da última vez que li um clássico. Tenho visto algumas adaptações ao cinema de clássicos mas lido não me recordo.
Esta foi uma leitura que teve de ser feita com toda a minha atenção, não que as outras não o sejam, mas a escrita é em tudo muito diferente ao que estou habituada, é rebuscada, tem termos que eu não conhecia de todo e que pelo contexto cheguei ao significado ou fazendo uma pesquisa no dicionário, mesmo assim muitos deles já nem estão neste último devido ao desuso. 
Gostei da história e da forma como está tão bem contada. Tendo como ponto de partida a fuga de uma respeitosa senhora casada e mãe de duas filhas com um jovem sedutor, tudo isto vai gerar uma alteração na rotina de alguns dos hospedes do hotel Riviera. Estes não tardam a condenar a atitude da mulher casada e adultera que abandona o marido e os filhos em busca de aventura.
Tal acontecimento, faz algumas lembranças virem ao de cima, o que leva uma senhora já de idade, para a época claro, reviver o seu passado e confiar num desconhecido as suas vinte e quatro horas, o seu segredo.
Confidenciando as 24 horas mais importantes da sua vida, que foram após a morte trágica do seu marido e com os seus filhos crescidos, esta senhora costumava ir ao casino ver os jogadores tal como fazia com o seu falecido. Certo dia ocorrido décadas atrás, ela conheceu e apaixonou-se por um jovem que havia perdido tudo no jogo e que pensava em suicídio. 
Durante a leitura deste livro fui-me questionando porquê que esta senhora decidiu contar a um desconhecido a sua história de amor secreto, porque não a uma amiga ou a um amigo. Mas então deparei-me que ainda hoje por vezes as pessoas preferem desabafar com pessoas desconhecidas, o que é facilitado com as tecnologias. 
Este livro foca os sentimentos, a busca por felicidade, a forma como é fácil julgar os outros sem antes saber os motivos que os levaram a tomar uma determinada decisão. É um livro que faz reflectir sobre a psicologia humana, sobre os valores da sociedade, sobre os valores individuais.

Numa pequena pesquisa fiquei a saber que:"Sigmund Freud tinha predileção por 24 horas na vida de uma mulher, um dos textos mais difundidos de Stefan Zweig (1881-1942). Nesta novela, Zweig demonstra sua habilidade para mergulhar na existência alheia e aborda magistralmente temas que lhe eram caros e que permanecem atuais, como compulsão, obsessão e paixão."Texto retirado da internet

Gostei mas não é um livro que de todo faça o meu estilo. Foi uma leitura diferente.
Boas leituras.

5 comentários:

  1. Olá,
    Eu confesso que clássicos não é comigo, mas gostava de conseguir gostar de os conseguir ler e apreciar um dia.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Pois eu com os clássicos é mais os filmes mas achei este interessante.
      Boas leituras e beijinhos;)

      Eliminar
  2. Olá,
    Eu também evito os clássicos embora decidi que este ano vou ler no mínimo 2 mas ando a evitar. É claro que ainda só estamos em Abril, ainda tenho muito tempo para os ler.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tânia,
      Pois clássicos também não é muito a minha praia, mas até gostei deste. Fez-me pensar nos valores e na forma como a sociedade facilmente julga as atitudes dos outros sem saber o que está por detrás das mesmas.
      Boas leituras e beijinhos.

      Eliminar
  3. Foi a minha estreia em SZ e gostei muito...

    http://numadeletra.com/vinte-e-quatro-horas-da-vida-de-uma-76835

    ResponderEliminar