domingo, 12 de julho de 2015

Minha opinião do livro_conto «O Guarda» de Kiera Cass

O Guarda
Kiera Cass
  • Categoria: Romance
  • Publicado: 14/02/2014
  • Editora: Editora Seguinte
  • Vendedor: Companhia Das Letras
  • Páginas impressas: 102 páginas
  • Idioma: Português

Comecei a ler:12-07-2015
Terminei de ler:12-07-2015

Sinopse:
«O guarda é o segundo conto que se passa no universo criado por Kiera Cass, autora da trilogia A Seleção. Depois de conhecermos os verdadeiros pensamentos e inquietações de Maxon em O príncipe, agora temos um vislumbre das ideias e emoções do jovem Aspen, ex-namorado de America, que vai trabalhar como soldado no palácio durante o concurso.

Antes de ir para o palácio competir pelo coração do príncipe Maxon, America Singer era completamente apaixonada por Aspen. Criado como um Seis, ele nunca imaginou que acabaria se tornando um dos soldados responsáveis por proteger a monarquia. Em O guarda, a história é contada pelo seu ponto de vista, a partir do momento que a Seleção é reduzida à Elite. Sua rotina é composta de exercícios e tarefas variadas dentro da casa da família real — desde cuidar da correspondência até combater os ataques rebeldes. Pela primeira vez, o enfoque é o mundo paralelo dos funcionários do palácio, suas dinâmicas e rede de relacionamentos, que America nunca chegou a conhecer.
O guarda também está disponível em edição impressa, como parte da antologia Contos da Seleção, que traz ainda O príncipe com final estendido e bónus exclusivos (como uma entrevista com a autora e informações inéditas sobre os personagens), além dos três primeiros capítulos de A escolha, último livro da trilogia, que será lançado em maio de 2014.» retirado do site itunes
America
Aspen
Minha Opinião:
Um dos aspectos que tornou logo desde o início esta trilogia distópica diferente das outras que já li, não que tenha lido muitas distopias, mas li algumas trilogias românticas, e alguns romances tem a ver com o facto de eu não conseguir tomar uma posição, isto é, não consigo escolher um dos lados. Talvez por este motivo compreenda as incertezas da protagonista dos livros, a America. Para mim é muito difícil escolher entre o Maxon e o Aspen. Tanto um como outro vão tendo atitudes que me irritam mas também têm atitudes nobres.
Enquanto o livro conto, «O Príncipe» nos apresenta o ponto de vista do Maxon no período que antecedeu A Seleção e o princípio dela, no livro conto «O Guarda» temos a visão do Aspen no decorrer dos acontecimentos narrados ao longo do segundo volume da trilogia «A Elite». Achei esta ideia de conhecer o ponto de vista de Maxon e de Aspen brilhante, dado que é entre eles que America está dividida e é sempre bom saber o que vai nas suas cabeças
Aspen, está no castelo para proteger a família real, mas isso não quer dizer que ele concorda com a forma que as coisas funcionam. Através das suas percepções, é nos demonstrada uma outra realidade da vida no castelo. Conhecemos melhor não somente a sua rotina, mas o dia-a-dia dos demais empregados. Eles deixam de ser “sombras”, para se tornarem personagens mais activos no enredo.
Gostei bastante de conhecer este lado história, pois os factos parecem-me mais reais e com isso a narrativa ganhou um toque mais verdadeiro.
Determinado a obter o perdão de America, Aspen está disposto a fazer de tudo para reconquistar o amor da sua amada. Até ai tudo bem, afinal quem nunca tentou reconquistar um grande amor. Só que a forma como ele faz isso, é o que me incomoda. Uma coisa é ele querer mostrar para America que o Maxon, não é tão encantador como ele parece. Sim, por que é óbvio que ele não é perfeito. Mas, depois de tudo o que aconteceu após o baile de Halloween, ter atitudes que podem colocar tanto a America com ele em risco, é algo completamente desnecessário em minha opinião. Acho que são atitudes muito descabidas e arriscadas que não demonstram grande amor pela America, pois colocam-na em risco, a ela e a ele.
Outro aspecto especial é que neste conto, ficou muito perceptível que autora tenta fazer com que o leitor se encante pelo Aspen. Ela realça muito as qualidades dele, e o quanto ele é bom para a America e para com todos aqueles que o cercam.
Será de salientar um aspecto, não é que eu não goste do Aspen e que prefira o Maxon. Só achei um pouco forçada essa visão, “encantadora” que a Kiera, a escritora, tenta passar do Aspen. Acho que honestamente Kiera como escritora devia ter tomado uma posição mais neutral e deixar que fosse o leitor a ver por si os aspectos positivos de Aspen e Maxon.
Depois de ler este conto questiono-me se a autora não está já a tentar preparar o leitor para o final que ela quer que o livro tenha e não o final que toda a história da Seleção deveria ter.
Só saberei quando sair em Portugal o terceiro volume da trilogia distópica da Seleção, espero muito sinceramente que a editora Marcador não demore muito a lançar o livro por cá.


Boas leituras!

4 comentários:

  1. Ola, Carla!
    Voce gosta muito desses livros da Kiera. O certo e que patecen muito interesantes. Vou a intentar atopalos aqui.
    Beijocas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Virei já da série a Seleção, é uma leitura do tipo romance distópico e gosto muito. Pretendo seguir os restantes livros quando forem lançados cá em portugal.
      Beijinhos e boa leituras.

      Eliminar
  2. Olá,
    Não sabia da existência destes contos além dos próprios livros, mas parece-me uma iniciativa muito boa por parte da autora e o que só significa que estes livros foram mesmo um sucesso.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tânia,
      Eu também desconhecia a existência dos contos, tive de os imprimir para ler, pois ainda não foram lançados em portugal e são grátis para pdf e e-books.
      Gostei muito de os ler porque fiquei com a perspectiva do Aspen, que é o guarda, neste conto e do Maxon que é o príncipe no outro conto, do que eles pensam e sentem em relação à America e à situação politica e social.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar