quarta-feira, 15 de julho de 2015

Minha opinião sobre o livro «Black Out - A Cortina da Memória» da escritora Lisa Unger

Black Out
A Cortina da Memória
de Lisa Unger
Edição/reimpressão:2009
Páginas: 284
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722342407
Coleção: Minutos Contados
Preço:16,65 euros

Comecei a ler:13-07-2015
Terminei de ler:15-07-2015

Sinopse:
«Num primeiro olhar, a vida de Annie Power parece feliz, quase idílica. Vive num bairro rico, na Florida, com um marido que a adora, Gray, e uma filha ainda pequena, Victory. Mas, subitamente, os demónios de um passado que Annie preferia a todo o custo esquecer começam a rondá-la, trazendo-lhe memórias de alguém que ela foi um dia. Annie vê-se envolta numa espiral ascendente de puro terror à medida que as ameaças vão assumindo contornos mais perversos e que luta por recuperar as memórias malditas que poderão ser a única forma de se defender a si mesma e a Victory. Afinal, Marlowe Geary, o serial killer que conheceu anos antes, está de volta, a um passo de aniquilá-la.»retirado do site wook

Críticas de imprensa...
«Um thriller arrebatador...impossível parar de ler até à última página.»
Entertainment Weekly 

«Uma leitura excelente para quem gosta de suspense.» 
Cosmopolitan 

«O último livro de Unger mantém a adrenalina nos níveis máximos, com um enredo intrigante e uma tensão psicológica quase insustentável... Vale bem pena a viagem.» 
People 

«Unger faz um trabalho de mestre quando se trata de manter o leitor interessado.» 
St. Petersburg Times 

«Unger cria o nível de tensão perfeito, no fio da navalha.» 
Associated Press 

«Black Out - A Cortina da Memória está destinado a ser um êxito. Um thriller com mais reviravoltas que uma jaula cheia de cobras. Agarre-se bem, é uma viagem assustadora!» 
Bookreporter 

«Este livro é, sem dúvida, especial - mais uma vez, Lisa manteve-me acordado toda a noite.»
Crimespree Magazine 

«Uma odisseia assombrosa.» 
Publishers Weekly

Minha opinião:
Este foi o primeiro livro que li da escritora Lisa Unger e fiquei rendida ao modo como ela conseguiu levar-me pelas páginas deste seu livro, que é sem sombra de dúvida um livro delicioso e aterrado, um excelente thriller psicológico.

Na realidade quando iniciei a leitura estava fora da minha zona de conforto, suspense e thriller não fazia de todo o meu género favorito, mas depois de ler este livro fiquei rendida ao género, com muita curiosidade de ler mais livros desde estilo. Este ano já li deste género dois livros, «A Rapariga do Comboio» e «Em Parte Incerta» e adorei os dois por este motivo posso dizer que este género já não me coloca fora da minha zona de conforto. A constatação de este facto tornou-se uma mais valia para prosseguir a leitura do próximo livro desta Maratona de Inverno.

Annie Powers é a personagem principal da história e a narradora da mesma, narra a história em três tempos espácio-temporais distintos: passado, presente e futuro. Todos eles carregados com um suspense enorme. O que fez com que não conseguisse largar as suas páginas.

No entanto, esta não é uma leitura leve, foi uma leitura lenta, em que tive que me obrigar a parar para reflectir sobre o que lia. Não é um livro complicado de se ler, nada disso, mas é um livro complexo em termos psicológicos, emocionais, a personagem Annie é muito complexa, por isso é que é considerado um thriller psicológico.

Annie Powers, vive no presente, uma vida rica e luxuosa, mas na sua vida tudo não passa de uma farsa, o seu verdadeiro nome é Ophelia March. No passado Anne, ou melhor dizendo Ophelia teve uma juventude que a traumatizou para toda a sua existência, tendo passado ao lado de um serial killer, de seu nome, Marlowe Geary.
Contudo o assassino, morreu, e Ophelia também foi dada como morta para que pudesse assumir uma nova identidade. Para que pudesse desta forma começar uma nova vida ao lado do seu actual marido Gray, do qual tem uma filha a Victory, que Annie ama de todo o coração.

No passado temos Ophelia, no presente temos Annie que vive com o seu marido Gray e a sua filha Victory e no futuro, que eu julgo ser o futuro temos Annie sozinha a fugir do seu passado, do monstro que a atormenta, que é o serial killer, Marlowe Geary. Mas será mesmo?

Mas nem sempre Marlowe foi para Annie um serial killer, daí a narradora ter a necessidade de nos contar a história do seu passado. Annie tem um passado perturbador, assustador, do qual poucos conhecem.

Ao ler este livro vamos apercebendo que a narradora guarda segredos inconfessáveis, são eles que nos ajudam a compreender o presente dela e o futuro.

Annie é uma mulher psicologicamente perturbada, cheia de medos e resta-nos a nós enquanto seguimos a história da sua vida, ao longo desta narração, verificar se estes medos de Annie são fruto da sua imaginação fértil ou se têm o seu quê de realidade.
O problema é que Annie sofre de um distúrbio mental, pelo que o seu passado é recheado de black outs - fugas de memória. Muito do que ela viveu está escondido no seu subconsciente.

Agora casada com o homem que a salvou e com uma filha, depara-se com várias pistas que lhe parecem indicar que Marlowe não está, como todos lhe garantem, morto. Pior que isso, até que ponto se encontra ela mentalmente doente, e até que ponto pode confiar nos seus olhos, nos seus movimentos, mais grave, até que ponto pode ela confiar nas pessoas que a rodeiam?

Adorei este livro, apesar de ter requerido muita atenção ao desenrolar dos factos nos três períodos de tempo: passado, presente e futuro. É um livro deliciosamente bom que me causou por vezes muitos arrepios ao longo da sua leitura, mas foram arrepios bons, não de medo, não é um livro de terror é um excelente thriller psicológico, que me conduziu como leitora até ao limite.

Aconselho vivamente, a leitura do livro, não sei se já foi realizado algum filme com base neste livro, mas se não foi daria um excelente filme, pois tem um ótimo argumento.
Mesmo que este não seja o vosso género literário, tal como não era o meu favorito, leiam não se vão arrepender.

Gostei muito mesmo muito e prometo, que para além dos livros que tenho que ler para esta semana da Maratona de Inverno, este vai ser um género que passarei a ler com mais frequência, pois deixou de estar fora da minha zona de conforto. 

Leitura extraordinária, uma escrita brilhante, uma história fabulosa, cheia de suspense, mistério, ação e muito thriller à mistura.

Recomendo vivamente a sua leitura.
5 ESTRELAS NO GOODREADS

Excertos:
«Hoje aconteceu uma coisa interessante. Morri. Que horror, dirão. Que trágicoE era tão nova, com uma vida toda pela frente. Virá um artigo no jornal, que vivi demasiado intensamente e morri demasiado nova. O meu funeral será pequeno...uns quantos amigos chorosos, alguns vizinhos e conhecidos consternados. Que efusivamente vão consolar o meu pobre marido, Gray. Prometer-lhe amparar a nossa filha, que crescerá sem mim. É tão triste, dirão uns para os outros.Mas que ideia a dela.»pág.11

«Também vou sentir a falta deles e recordá-los bem. Mas não da mesma maneira. Porque a minha vida com eles é uma cortina de fumo, uma mentira cuidadosamente construída. E embora tivesse conhecido alguns, e gostado deles, nenhum me conheceu, de facto. Só conheceram as partes de mim mesma que decidi partilhar e mesmo algumas dessas coisas eram inventadas. Vou lembrar-me delas como nos lembramos de um filme preferido; belos momentos e frases que me virão à memória, voltando a enternecer-me. Mas acabarei por saber que o meu tempo com eles foi uma ficção, frágil e insubstancial como as páginas de um livro.» pág.11

«Tive sonhos que se pareciam com a realidade e vivi realidades que deviam ser sonhos. Dei por mim em autocarros com destino a lugares estranhos, em bancos de jardim de cidades desconhecidas, sem fazer a mínima ideia de como lá chegara. Perdi enormes pedaços da minha vida; na minha memória há enormes buracos negros que engoliram meses, anos até. Não tenho esses episódios desde que Victory nasceu, mas sei que estão sempre à espera na periferia da minha vida, como abutres rondando um coiote que manqueja pelo deserto.» pág.58

«A maioria de nós não vive no presente do indicativo. Quedamo-nos num sítio mental onde as mágoas e ressentimentos do passado competem com os receios sobre o futuro. Por vezes, mal nos damos conta do que se passa à nossa volta de tão ocupados que estamos a viajar no tempo.» pág.99

«Quando volto a mim, sentada na borda da cama com a minha filha a dormir ao fundo do corredor, passou-se uma hora. Sinto-me trémula e fraca. Não sei se quero lembrar-me das coisas que esqueci. Mas sei que as memórias virão agora, espontâneas, a ressurreição dos mortos.» pág.139

«Há perguntas que fiz a mim mesma várias vezes nestes últimos anos: consegue-se mudar de rumo e recomeçar de novo? Se fizemos coisas impensáveis, poderemos descartá-las como roupas que nos ficam mal, mudar o nosso todo e transformar-nos noutro alguém? Então e o alívio do castigo, a purga da expiação, o bálsamo da absolvição? Eu julgara-me livre. ... 
Mas devia ter previsto que Ophelia regressaria. O médico sempre mo disse. Não podemos esconde-nos de nós mesmos eternamente. As terríveis enxaquecas e os pesadelos, dizia ele, eram sinal de que o meu subconsciente estava a esforçar-se por suprimir as memórias que o consciente não conseguia. No fundo, a sombra quer ser conhecida e fará tudo o que tem de fazer para que a reconheçam.» pág.170

«Quero que ela saiba que a vida não é apenas jogar pelo seguro. Que, quando cometemos erros, parte da nossa recuperação passa por corrigirmos o que pudermos.Essa verdade tão simples magoa. Percebo que estou novamente a trair-me a mim mesma, desta vez pela minha filha.» pág.264
                       
                               
Boas leituras!

8 comentários:

  1. Olá Carla
    Não conhecia o livro mas gostei muito da tua opinião e percebi que foi uma boa leitura e viciante, tal como convém num bom thriller =)
    Beijinhos

    O Prazer das Coisas | Facebook | Youtube

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tita,
      Foi mesmo uma leitura viciante o que me surpreendeu dado eu estar com receio desta semana.
      Mas acho que agora já gosto de livros deste género.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  2. Olá Carla
    Só conhecia a autora de nome. Este livro parece bem interessante. Ainda bem que gostaste :)
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sara,
      Gostei muito do livro, nem eu sabia que o tinha cá em casa, bendito Goodreads, que deu para ver os meus livros e foi assim que o escolhi para substituir o King.
      Adorei o livro é de ler e ler, sempre a virar as páginas.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  3. Olá Carla,
    Não conhecia o livro mas também não é o meu género. Prefiro livros mais leves e divertidos. Provavelmente nunca o irei ler mas gostei da tua opinião e fiquei curiosa.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tânia,
      Eu comecei este ano a ler este género de livros e cada vez gosto mais, este foi uma excelente surpresa, já o tinha na estante à muito tempo e adorei a leitura.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  4. Olá,
    Não conhecia este livro, mas parece-me ser uma leitura e interessante e deve ser uma boa leitura uma vez que lhe deste 5 estrelas no goodreads. :)
    Gostei de ler a tua opinião!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Olha Tânia, tu não o conhecias eu nem sabia que o tinha na estante;)
      Adorei este livro, acho que até gostei mais deste do que «A Rapariga do Comboio» ou «Em Parte Incerta», são do mesmo género suspense e thriller estou a ficar fã. Este livro é uma delícia. E tem uma coisa boa, não tem partes mortas, é sempre a abrir como se costuma dizer.
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar