sexta-feira, 12 de agosto de 2011

"Vidro Demónio" de Rachel Hawkins

Capa do segundo volume em Portugal

Título original:"Demom Glass”
Título em Portugal:”Vidro Demónio”
Autora:  Rachel Hawkins
1.º Edição: Julho de 2011
Páginas: 286
Editor:  Edições Gailivro
ISBN:  9789895578937
Tradução: Maria João Freire de Andrade

Sinopse
Sophie Mercer pensava que era uma bruxa.
Foi por essa razão que foi enviada para Hex Hall, um reformatório para delinquentes Prodigium (bruxas, mutantes e fadas). Mas isso foi antes de ela descobrir o segredo da família, e que a sua paixão escaldante, Archer Cross, é um agente de O Olho, um grupo determinado em eliminar todos os Prodigium da face da Terra.
Afinal Sophie é um demónio, um de dois que existem no mundo – sendo o outro seu pai. O pior é que os seus poderes ameaçam as vidas de todos aqueles que ela ama. É precisamente por isso que Sophie decide ir para Londres para a Remoção, um procedimento perigoso que irá destruir os seus poderes.
Mas ao chegar Sophie faz uma descoberta terrível. Os seus novos amigos também são demónios, o que significa que alguém os anda a criar com planos para usar os seus poderes para o Mal. Entretanto O Olho está à caça de Sophie, e está a usar Archer para isso. E no meio de tudo isto Sophie ainda tem de lidar com os sentimentos que não deveria ter por Archer.”

Excerto:

"Havia uma saca de terra fertilizada junto da porta,  e eu tirei um punhado para lha atirar às costas. Antes de a terra o atingir, ele levantou a mão para a atirar trás. A terra ficou ali a pairar durante um momento, antes de voltar a flutuar lentamente para dentro da saca." (pág.22)

Minha Opinião:


“Vidro demónio” é o segundo volume da série da escritora Rachel Hawkins, sendo o primeiro “Hex Hall” (ver minha opinião aqui). Sei que me tinha desiludido a leitura do primeiro volume da série mas não consegui resistir a adquirir e ler o segundo volume, este é sem sombra de dúvida o maior problema das séries e das sagas, fico sempre com dúvidas, pois o facto de o primeiro volume não ser extraordinário não quer dizer que o segundo não possa dar a volta e ser até mesmo bom.
No primeiro livro Sophie Mercer que pensava ser uma adolescente normal é enviada para um reformatório para delinquentes Prodigium. No entanto, Sophie que pensava estar em Hex Hall por ser uma bruxa descobre, através dos encontros secretos com a sua avó Alice, que afinal é um demónio. Foi esta informação e com a que está na minha opinião (aqui) que iniciei a leitura deste livro, após ter relido o primeiro volume. A continuação de “Hex Hall” em “Vidro Demónio” está bem conseguida, nos primeiros capítulos é feita uma abordagem (assim como quem não quer a coisa) do primeiro volume da série, nomeadamente alguns acontecimentos mais importantes.
A história deste livro está centrada em quatro pontos (isto, claro está que é segundo o meu ponto de vista):
            Primeiro…O aparecimento do pai de Sophie Mercer.
Sophie nunca tinha conhecido o seu pai, o único “contacto” que existia entre eles era a correspondência escassa que Sophie recebia do pai. Só em que Sophie entra para o reformatório Hecate Hall (Hex Hall) é que fica a saber que para além de seu pai ser bruxo, sendo possuidor de poderes mágicos, ele é também o chefe do Conselho, que defende os Prodigium do O Olho (elementos que querem destruir os Prodigium).
            Segundo … Sophie quer passar pelo processo de Remoção contudo só o poderá fazer se o pai autorizar ou se for maior de 18 anos. Como o pai não autoriza nem ela tem 18 anos vai ter de entrar em acordo com o seu pai e aceitar ir passar as férias de Verão com ele em Inglaterra (pelo menos é o que ela pensa). Sophie não vai sozinha com o pai leva a sua companheira de quarto a vampira Jenna e o seu colega feiticeiro Call. Contudo Call vai porque o pai de Sophie propõem à sua filha que o leve, facto que é estranho para a sua filha, ficando ela a saber que está prometida a Call.
            Terceiro…Sophie quando chega com os seus amigos ao local de férias descobre que ela e o pai não são os únicos demónios que existem no mundo, facto que é de elevada estranheza. A questão que se levanta é como se formaram os dois demónios, Daisy e Nick, quem estará por detrás do aparecimento dos novos demónios?
            Quarto… Irá Sophie reencontrar o seu apaixonado Archer, qual a história que está por detrás do apoio dado por Archer ao Olho?

Desta vez os ingredientes estão todos lá, o mistério, os inimigos, os amigos, a paixão proibida o amor prometido, este livro tem história e tem todos os ingredientes para uma boa série de fantasia. A escritora consegue colocar os ingredientes daquele modo especial para que uma pessoa se agarre ao livro e sinta que está a viver uma razoável fantasia. Um outro aspecto que não pude deixar de verificar é a continuação do excesso de IÁSSSS, e de uma linguagem demasiado e exageradamente adolescente, de tal forma que se um adolescente ler o livro acho que vai achar demasiado infantil, é só uma opinião.

Também tenho pena que os diálogos sejam o calcanhar de Aquiles do livro, pois a história está lá tem ideias para ir para a frente mas podia ser levada mais a sério, a fantasia podia ter sido ainda melhor estruturada e trabalhada. Atenção, pois acho que devo mesmo referir isto com ênfase, o facto de ser uma série de fantasia notoriamente juvenil, não justifica a meu ver o exagero na linguagem adoptada e o desleixo da mesma.

Contudo devo referir que este livro foi uma boa surpresa, teve um final que obriga o leitor a ler o próximo volume, este foi um volume onde já entram batalhas a sério de tal forma que conseguia visualizar como se estivesse a ver um filme.

Claro que vou continuar a seguir a série até porque este livro foi muito melhor que o primeiro logo quase que posso apostar que o terceiro vai ainda ser melhor.

Uma outra nota é em relação à capa, definitivamente não gosto desta capa a outra estava mais de acordo com o conteúdo. Um aspecto que estranhei muito foi o facto de não ter o título original do livro.
Capa original

Foi mais uma leitura, não me acrescentou nada de novo mas deu para me rir um pouco, gostei da leveza do livro que não me obrigou a reflexões nem grandes nem pequenas. Um livro que foi bom ser lido nas férias e logo depois de um clássico como “O Monte dos Vendavais” que mexeu com todas as minhas emoções e sentimentos mais íntimos.
 Boa leitura!;)


4 comentários:

  1. Carla nem vou ler a tua opinião para não me influenciar, tenho este livro lido à mais de uma semana para postar opinião mas estou tão preguiçosa! :(

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Olá Elphaba
    Como eu te entendo, mas depois dá uma passadinha por cá e eu também terei todo o gosto em ler a tua opinião.
    Beijinhos.
    Boa leitura;)!

    ResponderEliminar
  3. Depois de ler a tua opinião, penso que se ler, fá-lo-ei emprestado, mais não seja, pela boa disposição que nos transmite, que por vezes tanta falta faz.

    Em relação à capa, também gosto mais da original. Foi pena terem mudado as mesmas...

    ResponderEliminar
  4. Olá Rita
    Acho que fazes muito bem em ler e se tens a hipótese de o leres emprestado ainda melhor.
    Beijinhos.
    Boa leitura;)

    ResponderEliminar