sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Minha opinião sobre o livro "Sete Minutos" de Lara Morgado

Sete Minutos
de Lara Morgado
Romance
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 272
Editor: Editora Guerra & Paz
ISBN: 9789897020735
Preço: 11,99 euros

Sinopse:
"O que seria da Humanidade que somos se aqueles que hão-de vir se recusassem a nascer? Raul, médico conceituado de uma clínica de fertilidade, descobre um cromossoma peculiar que aparece sete minutos depois da fecundação. A descoberta vai conduzi-lo a uma dimensão espiritual desconhecida. Raul começa a ouvir vozes de almas que ainda não nasceram. E, contra tudo o que seria de esperar, a mensagem urgente que estes seres lhe comunicam é a de que… não querem nascer! Uma revelação que vai mudar por completo a sua existência e a de toda a Humanidade. Não somos nós que não queremos filhos, são os filhos que se recusam a nascer. Nascer pode ser assustador… ou talvez não." retirado da contracapa do livro

O vídeo...do youtube:


Minha opinião:

Este é o primeiro livro que li da escritora Lara Morgado e devo desde já referir que não contava ser transportada para tão brilhante viajem filosófica sobre o tema abordado no livro.
Logo na capa fui confrontada com uma questão a meu ver muito pertinente, sendo ela a seguinte:"Se a vida não acaba, será que começa?", esta premissa deu-me que pensar. Primeiro porque nunca encarei a vida como ela não acabando, para mim a vida acaba, pode continuar numa outra dimensão sob a forma de alma, mas a vida terrena essa acaba, logo se a vida terrena acaba então também começa, certo?
Desta forma, desde o início o livro me prendeu, a forma como está escrito, com a existência de um narrador um pouco, fora do normal ainda me cativou mais. A constante e permanente forma como o leitor é questionado tanto pelo narrador como pela personagem principal, Raul, fez com que existissem momentos de refleção pela minha parte como leitora.
Adorei o diálogo se assim se pode chamar entre o famoso e conceituado médico Raul e o que ele batizou de venturos, que é o óvulo e o espermatozóide sete minutos antes de ocorrer a fecundação.A forma como um adulto pede para não morrer aqui é quase que contraposta com a vontade do venturo  de não quer nascer.
A questão que me ficou na mente foi o porquê de não querer nascer, não querer vir ao mundo, será a ideia que os venturos têm do mundo dos humanos assim tão negativa, será que se fosse possível perguntar às almas se elas queriam vir ao mundo elas queriam?
E se não queriam qual seria o motivo? A violência, guerras, ganância, fome, intolerância, a cada vez menor capacidade do ser humano perdoar, a crueldade, a pedofilia, os maus tratos infantis, a violência doméstica. Ou somente o facto de não querer nascer.
Com o desenrolar da história vão surgir muitas surpresas que não vou contar aqui pois tiraria o desencanto ao possíveis leitores deste magnífico livro, só vou levantar um bocadinho mais o véu, Raul escreve um livro que vai mudar o mundo e a mentalidade do ser humano e quem lhe dá mais força para tal é uma ventura a Lúcia.
Este livro fez-me refletir sobre a essência da natureza humana, desta forma é sem sombra de dúvida um livro que aconselho vivamente a sua leitura, foi uma enorme surpresa literária para mim.
Quando terminei a sua leitura só me recordei de um outro livro que também mexeu com as minhas emoções mais profundas que foi "Saga de um Pensador" de Augusto Curry.
Aconselho vivamente a leitura deste livro fabuloso.
Boas leituras! 

2 comentários:

  1. Ups! Eu não gostei deste livro, mas agoro compreendo porque, obrigada Carla, não sou uma pessoa de muita fé, não acredito na vida para alem da morte, porque tentei anos a fio engravidar e nunca consegui, apesar de diversos tratamentos, então estas foram de certeza as permissas para ter deixado o livro a meio.
    Bjs e bom ano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois Dulce se tivesse passado por essa experiência de certo modo traumática e tendo em conta o tema do livro também não gostaria nem um pouco amiga, agora entendo os teus motivos.
      Beijinhos e boas entradas em 2015.

      Eliminar