segunda-feira, 6 de abril de 2020

27 # Opinião | "Onde estás, Audrey?" de Sophie Kinsella

Sinopse:
"Audrey é uma adolescente cheia de vida, igual a tantas outras. Com 14 anos, estuda, discute com os irmãos, sonha muito e confia cegamente nas amigas. Até ao dia em que essa confiança é destruída… Vê-se obrigada a deixar a escola. Sente-se incapaz de sair casa. E esconde-se irreversivelmente atrás de um par de óculos de sol. 
Então, conhece Linus, um rapaz de sorriso simpático e comentários divertidos, que parece ser o raio de sol de que Audrey precisava. 
E a jovem acaba por descobrir que, mesmo quando pensamos que estamos perdidos, o amor consegue sempre encontrar-nos…"Retirado da  contracapa

Opinião:

Esta é a história de Audrey, uma adolescente de que foi vítima de bulling na escola, este acontecimento desencadeou na Audrey (tal como refere na página 25) um Distúrbio de Ansiedade Social, Transtorno de Ansiedade generalizada e Episódios Depressivos.

Audrey está a ser seguida por uma psiquiatra (pelo menos é o que me parece) Doutora Sarah, que vai dando "ferramentas" para a Audrey conseguir superar os seus medos e aprender a viver com ela própria. Uma das diversas "coisas" que a doutora pede para ela fazer é um filme mas fora da sua zona de conforto, dado que Audrey está em casa e não vai à rua e nem está a frequentar a escola, nesta fase da sua vida.
A par do que Audrey está a passar deparamo-nos com uma mãe muito apreensiva com os seus filhos, temos o Frank que é um dos irmãos dela que é viciado num jogo de computador o LOC, temos um pai que diz sempre que sim com a mãe, temos o Linus que é inicialmente o amigo que vai lá a casa jogar LOC com Frank. Não me posso esquecer do adorável irmãozinho de 4 aninhos da Audrey.
O livro tem logo uma particularidade que eu gostei muito que é a capa é dupla e a primeira capa por traz tem um cartaz com algumas dicas e intitula-se "Os Conselhos da Audrey, Aceita-te como é!"
Acho este cartaz fantástico, uma excelente ideia, mesmo.
Como podem ver tanto no cartaz como na capa a Audrey está sempre de óculos de sol, esta é uma forma de não realizar contacto visual com os outros.
O livro é muito engraçado mas o tema do bulling acaba por não estar muito bem desenvolvido e mesmo a forma como ela acaba por melhorar, também deixou um pouco a desejar. Mas este é um romance não estejam à espera de encontrar aqui a vida real. Contudo existem algumas passagens no livro muito interessantes e que me fizeram refletir. Sendo elas as seguintes:
"-Livros, por exemplo! O que é feito dos livros? Devíamos estar a ler a lista dos nomeados para o prémio Booker! E não a assistir a esta televisão tóxica e estupidificante e a jogar jogos de computador que desgastam o cérebro."(pág.114)

"Não temos de nos mostrar. ... Todos temos direito à privacidade. Não têm de partilhar nada com os outros, por muito que vos peçam. Fotografias, fantasias, os vossos planos para o fim de semana...é tudo vosso." (pág.157)

"Mas Audrey, a vida é assim mesmo. Estamos todos num gráfico aos altos e baixos. Eu estou de certeza. Um pouco para cima, um pouco para baixo. A vida é assim." (pág.249)

"Tenho pensado bastante sobre tudo e mais alguma coisa. E acho que a Mãe tinha razão sobre a cena do gráfico aos altos e baixos. Todos estamos num.... Acho que percebi que a vida se resume a subirmos a montanha, escorregarmos e levantarmo-nos de novo. E não importa se escorregamos, desde que estejam mais ou menos a subir. Isso é o melhor que podemos esperar. Mais ou menos a subir." (pág.267)

Gostei desta leitura e aconselho a todos os adolescentes.
Classificação de 4**** no Goodreads.


Excelentes leituras!

#FicaEmCasa ❤

Sem comentários:

Publicar um comentário